Notícias Adventistas

Protocolo da AdventHealth Ocala impulsiona avanços contra a covid-19

ICAM manteve 96% dos pacientes atendidos com a combinação fora da UTI e sem respiradores

Por Trialsite News 8 de janeiro de 2021

Profissionais envolvidos no projeto (da esquerda para a direita): doutor Stanley Mikowski; doutor Ken Barrick; doutora Carlette Norwood-Williams e doutor Narsing Rao (Foto: AdventHealth Ocala)

Diante de um novo coronavírus e poucas opções para tratamento, e no caso do antiviral remdesivir, graves carências e alto custo – sistemas de saúde, hospitais e clínicas comunitárias buscam tratamentos alternativos e seguros que possam salvar vidas.

Por isso, o AdventHealth Ocala, parte do maior sistema de saúde de origem protestante e sem fins lucrativos dos Estados Unidos, explorou seu conhecimento e criatividade, intelecto médico e científico, e o seu desejo de salvar vidas, e desenvolveu o protocolo ICAM, que parece ser altamente eficaz ao ser observado atentamente.

Leia também:

Se o ICAM provar que funciona de forma consistente, o AdventHealth e a doutora Carlette Norwood-Williams terão prestado ao mundo um serviço efetivo. O próximo passo será um estudo para investigar a eficácia do tratamento combinado.

Desafio à frente

O protocolo surgiu quando Carlette, diretora de farmácia do AdventHealth, foi confrontada com o aumento dos casos de covid-19 e a escassez do único medicamento provisoriamente aprovado na época, o remdesivir.

Ela começou a trabalhar em pesquisas alternativas, um processo que ocorria frequentemente antes da pandemia no AdventHealth e em outras clínicas norte-americanas. Agora, durante a pandemia, os provedores de saúde muitas vezes precisam resolver os problemas por conta própria. O novo protocolo desenvolvido na Flórida mostra-se promissor e até recebeu aprovação para um estudo local.

Ele foi formulado em tempo de pandemia, fora do escritório e baseado no entendimento de como as terapias subjacentes realmente funcionam, combinadas com observação de dados crescentes sobre como o coronavírus impacta os pacientes.

Todos os medicamentos usados no ICAM estão dentro das indicações originais da Food and Drug Administration (FDA), agência federal do Departamento de Saúde dos Estados Unidos. A combinação específica como um protocolo é única, escolhida por causa da evidência consistente de melhorias nos marcadores dos pacientes com covid-19.

O que é o protocolo ICAM?

É o resultado de uma sigla, afirma o jornal Ocala Star-Banner e Carlos Medina: I significa “Immunosupport” [suporte imunológico] e inclui vitamina C e zinco para ajudar a impulsionar o sistema imunológico; C representa “Corticosteroide”, metilprednisolona, que pode reduzir a inflamação nos pulmões para aumentar a respiração; A é “Anticoagulante” como enoxaparina, um anticoagulante que pode ajudar a interromper a coagulação do sangue, observada nos casos mais graves de covid-19; e, por último, M significa “Macrolídeo”, como a azitromicina, frequentemente chamada de “Z-Pac”, que é um antibiótico usado para atenuar a probabilidade de pneumonia.

Em resumo, é a combinação de: 1) vitamina C e zinco, 2) corticosteroide, 3) anticoagulante e 4) macrolídeo. Cada tratamento foi considerado e selecionado por sua contribuição para um problema relacionado à covid-19.

Na entrevista ao Ocala StarBanner, a doutora Carlette informou que o protocolo ICAM foi desenvolvido com base na consideração de “como a resposta inflamatória dos pacientes reagiu aos medicamentos. Na maioria das mortes associadas ao vírus, a covid-19 não está mais ativa no corpo. A morte ocorre a partir da resposta inflamatória do corpo à infecção. Então o ICAM foi concebido e baseado nessa consideração”, observou, e “fornece proteção ao corpo até que o vírus fique sem forças”.

Resultados observacionais

Este protocolo não é usado em casos leves ou moderados de covid-19, mas sim naqueles pacientes internados no hospital. Carlette afirma que mais de 96% dos pacientes atendidos com a combinação de medicamentos do protocolo ICAM ficaram fora da UTI e sem respiradores. A farmacêutica comentou que “durante 76 dias nossos pacientes não tiveram nenhuma transferência para a UTI, não usaram o ventilador mecânico e não houve mortes com o ICAM ou processos semelhantes ao ICAM”.

Estudo

O protocolo ICAM foi aprovado pelo Conselho Revisor Institucional do AdventHealth, e um estudo com 100 pacientes foi iniciado. Ele ocorrerá no Condado de Marion e incluirá a participação do Departamento de Saúde da Flórida e do Centro de Saúde Heart of Florida.

Fundado em 1973, o AdventHealth é um sistema de saúde com sede em Altamonte Springs, Flórida, e possui instalações em nove Estados dos Estados Unidos. Até início de 2019 era conhecido como Adventist Health System, quando foi renomeado AdventHealth.

Ele é o maior provedor de saúde de origem protestante e sem fins lucrativos e um dos maiores sistemas de saúde sem fins lucrativos dos Estados Unidos, com centenas de locais para atendimento e cerca de 50 hospitais em todo o território norte-americano. Possui 8.200 leitos licenciados em nove Estados, cuidando de mais de cinco milhões de pacientes por ano. Sua missão é continuar o ministério de cura de Cristo.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox