Notícias Adventistas

Igreja Adventista divulga declaração oficial sobre vacinação

Documento mundial a respeito de vacinação fala da importância da imunização das pessoas, especialmente no contexto de ênfase da saúde e bem-estar.

Por Felipe Lemos 16 de dezembro de 2020

A prática da vacinação não tem qualquer contra indicação bíblica, nos escritos de Ellen White ou mesmo por conta da saúde. (Foto: Shutterstock)

Já está disponível, em português, declaração oficial da Igreja Adventista do Sétimo Dia em nível mundial a respeito de vacinação. O documento foi publicado originalmente no ano de 2015 e pode ser lido, na íntegra, na área de declarações e documentos oficiais da organização. O material recomenda que os membros sejam, portanto, vacinados.

Documento

No início do texto, a declaração afirma que “a Igreja Adventista do Sétimo Dia dá forte ênfase à saúde e ao bem-estar. A ênfase adventista na saúde é baseada na revelação bíblica, nos escritos inspirados de E. G. White (cofundadora da Igreja) e na literatura científica revisada por pares. Assim sendo, encorajamos a imunização/vacinação responsável, e não temos nenhuma razão religiosa ou baseada na fé para não incentivar nossos seguidores a participar de forma responsável de programas de imunização preventiva e protetora”.

Leia também:

Importância das imunizações

O diretor da área de Saúde da sede sul-americana adventista, o médico Rogério Gusmão, ressalta que a ciência das imunizações foi o maior avanço no controle de doenças e saúde pública que a humanidade conquistou. “Sem programa de imunizações teríamos milhares de mortos por estas doenças e muitas outras. Nosso índice de mortalidade infantil aumentaria assustadoramente, assim como as sequelas destas doenças graves”, pondera.

Gusmão lembra que historicamente sempre existiu resistência ao programa de vacinação e citou o que ocorreu no Rio de Janeiro na revolta da vacina, em novembro de 1904. Naquela época, a população se rebelou contra a vacina da varíola. “Passados mais de 110 anos, o que vemos hoje é, então, a erradicação da varíola, pois a maioria da população se vacinou. E, também, criou a barreira imunológica de grupo chamada de imunidade de rebanho, que protegeu, inclusive, os que discordam da vacinação e não se vacinam”, frisa.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox