Notícias Adventistas

Coluna | Natanael Castro

O evangelismo digital resumido em um funil - Parte III

As estratégias de evangelismo pela internet sempre devem convergir para o relacionamento pessoal, afinal, o objetivo continua sendo alcançar pessoas reais


  • Share:

Nos dois últimos artigos, falei sobre como aplicar o funil de vendas ao evangelismo digital, trazendo alguns exemplos de como fazemos isso aqui na Novo Tempo. Nesse artigo, finalizaremos essa jornada analisando as três últimas etapas do funil: igreja local, batismo e TMI (Total Member Involvement).

 

Se você ainda não leu as partes I e II deste conteúdo, recomendo fortemente que o faça, pois esse artigo só fará sentido após a compreensão dos anteriores.

Se você já leu, vamos à quarta etapa do funil.

Igreja local

Até aqui, o interessado esteve num relacionamento virtual, consumindo conteúdo, conversando sobre suas necessidades e estudando a Bíblia. Mas agora, é necessário dar o próximo passo: tornar o relacionamento pessoal. Afinal de contas, como já vimos aqui, o evangelismo digital tem o mesmo propósito dos demais métodos: converter pessoas reais.

Entendendo isso, a estratégia de evangelismo digital deve incluir a aproximação pessoal. Se você ou a sua igreja tem formado um exército de seguidores na internet, mas isso não se traduz em práticas e relacionamentos reais, é preciso rever seus conceitos de evangelização. Deixo, aqui, alguns versículos que reforçam a importância do envolvimento na igreja local: Hebreus 10:24 e 25; Romanos 12:4 e 5; 1 Coríntios 12:12 e 13; Efésios 4:3-6.

Em nossa estratégia, na Novo Tempo, essa conexão com a igreja local é chamada de “ponte”. O interessado pode ser convidado a visitar uma congregação ou ser visitado por um pastor. Esse convite pode ser feito por agentes humanos (que diariamente estão conversando com as pessoas e, ao perceberem que o interessado está pronto para dar esse passo, oferecem a oportunidade. Uma vez que a pessoa aceita, se encarregam de buscar a igreja ou o pastor mais próximo de seu endereço) ou pela própria Esperança (que está programada para fazê-lo em lições específicas de alguns cursos bíblicos). Em outra oportunidade, falarei com mais detalhes sobre esses aspectos; por hora, quero apenas que você entenda que nossa estratégia é toda pensada para que, em algum momento, a pessoa receba o convite para conhecer uma congregação.

Outra coisa importante que fazemos é acompanhar de perto se a ponte foi concretizada; e aqui fica o conselho para você. Em vez de apenas dizermos para a pessoa “vá a uma igreja”, trazemos para nós a responsabilidade de conectá-la a uma. Isso demonstra nosso real interesse em que isso aconteça, além de minimizar os riscos de que a pessoa se acomode e não tome a iniciativa. A imagem a seguir mostra uma parte do acompanhamento que fazemos; os pontos vermelhos representam as pessoas que ainda estão aguardando que encontremos o pastor mais próximo de sua casa, e os de cor lilás, pessoas que já foram conectadas a um pastor ou igreja local nos últimos 50 dias.

A propósito, além do território sul-americano, também fazemos essas pontes em alguns países africanos e europeus, e nos Estados Unidos.

Batismo

O batismo é uma responsabilidade conjunta do evangelista digital e da igreja que recebeu o interessado. E nessa tarefa compartilhada, é bem verdade que há fatores que não conseguimos controlar. Ainda assim, a pessoa que é conectada à igreja local continua estudando a Bíblia e conversando com nossa equipe; por isso, esse ponto ainda faz parte do funil.

Nós sempre tratamos sobre o assunto do batismo nos estudos bíblicos. Às vezes, por temer a rejeição dos interessados, alguns evangelistas deixam de lado esses aspectos mais “denominacionais”, adotando estratégias mais “ecumênicas”. Porém, fazemos parte de uma Igreja remanescente e distintiva, e essa verdade não pode ser deixada debaixo do tapete pelo simples medo de causar atrito ou afastamento.

Bom, o batismo não é uma métrica que acompanhamos de perto. Ainda assim, recebemos semanalmente dezenas de fotos de pessoas que estudaram a Bíblia com a Esperança e retornaram apenas para agradecer e contar sobre o batismo. Somente hoje, enquanto escrevo este artigo, já recebemos quatro fotos de batismos que ocorreram no fim de semana.

TMI

A sigla, traduzida ao português, significa “envolvimento total de membros”. Basicamente, ela quer dizer que, como tais, devemos nos envolver integralmente na missão. No livro Serviço Cristão, Elle White declara que “todo verdadeiro discípulo nasce no reino de Deus como missionário”. Este senso de dever também deve ser plantado no coração daqueles que estão sendo evangelizados, pois somos transformados para transformar. Como disse Jesus, somos o sal da terra e a luz do mundo (Mateus 5:13, 14).

Pensando nesse envolvimento na missão, a Esperança incentiva cada estudante da Bíblia a convidar seus amigos a também fazê-lo (para saber mais, acesse aqui). Os que já são adventistas, ela motiva a criarem grupos de estudo e serem instrutores bíblicos (para saber mais, acesse aqui).

Nos últimos meses, por conta da pandemia e do isolamento social, muitas pessoas descobriram a existência da Esperança e começaram a dar estudos bíblicos, fazendo dupla missionária com ela. Ao longo dos meses, recebemos diversos relatos de pessoas que nunca haviam feito isso por não saberem como, ou por medo ou vergonha, mas que viram essas barreiras se desmancharem pela parceria com a Esperança. Inclusive, recebemos relatos de instrutores que ensinaram a Bíblia a mais de 40 pessoas simultaneamente, até mesmo em diferentes países.

Um recurso que ainda estamos trabalhando para implementar, e que tem como objetivo aumentar esse senso de missão entre os membros, é um estudo bíblico “pós-batismo”. Nele, queremos abordar assuntos referentes ao trabalho missionário e características organizacionais que todo membro deve conhecer. Por enquanto, este é apenas um projeto, mas o menciono para trazer mais ideias que, talvez, você possa aproveitar de alguma maneira.

E, assim, finalizamos nossa jornada pelo funil de vendas. Espero que esses artigos tenham lhe ajudado a pensar o evangelismo digital de forma mais estruturada e sistemática. No próximo artigo, vou compartilhar com você uma imagem que “bugou” minha cabeça e me fez repensar seriamente sobre o que compartilhei nesses textos sobre o funil. Nos vemos lá!

Natanael Castro

Natanael Castro

Missão Digital

Uma visão ministerial e técnica de como evangelizar usando as ferramentas digitais.

Formado em Teologia e Sistemas de Informação e especializando-se em Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina. Criador do chatbot Esperança, a inteligência artificial da Escola Bíblica Digital, da Rede Novo Tempo, lugar onde trabalha atualmente aplicando as visões ministerial e técnica ao evangelismo digital.