Notícias Adventistas

Jovem adventista é pioneira em projeto voluntário que auxilia crianças autistas

A musicoterapeuta Ana Carolina Steinkopf, adventista, desenvolveu de forma voluntária um musical exclusivo para crianças autistas e seus familiares.

17 de setembro de 2015
Ana Carolina ensaia grupos de crianças ao longo da semana

Ana Carolina ensaia grupos de crianças ao longo da semana

Brasília, DF … [ASN] Quase dois milhões de brasileiros são atingidos pelo Transtorno do Espectro Autista (TEA), de acordo a Associação Brasileira de Autismo. O transtorno, que tem início na infância, está associado à dificuldade na comunicação (alteração na fala), socialização e a comportamentos repetitivos que têm ocorrência em diferentes contextos, conforme explica a psiquiatra da infância e da adolescência Ingrid Oliveira. O autismo é classificado em três graus: leve, moderado e grave. Quanto mais precoce o diagnóstico, melhor as chances de tratamento, como esclarece o neurologista e pediatra Christian Müller.

Uma das formas de tratamento encontradas para o TEA é a musicoterapia – terapia que usa a música e seus elementos (som, ritmo, melodia e harmonia) para reabilitação dos indivíduos. A musicoterapeuta Ana Carolina Steinkopf, 24,  que mora em Brasília, criou um projeto que envolve crianças com Autismo. O musical, intitulado Uma sinfonia diferente, foi idealizado pela jovem em parceria com clínica onde trabalha.

Ela conta que a ideia surgiu baseada na prática clínica, onde percebeu que as crianças que faziam parte das sessões de musicoterapia tinham mais facilidade com a comunicação e o relacionamento. O musical envolve 21 crianças dentro do espectro autista e suas famílias. “A família é muito importante. Ao envolvê-los, a criança se motiva mais. Quando eles fazem algum movimento ou som, ela se sente estimulada a reproduzir a mesma ação. Isso é importante porque o autista precisa de vínculo”, comenta a musicoterapeuta.

Leia também

Jovens adventistas realizam trabalho voluntário na Rocinha

A música e o Transtorno do Espectro Autista (TEA)

O neurologista Christian Müller explica que a música é benéfica para o ser humano por atuar no sistema límbico – unidade cerebral responsável pelas emoções e comportamentos sociais. “A criança autista é hipersensível a sons. Isso pode ser positivo ou negativo. Sons fortes podem acarretar irritabilidade e até mesmo agressão, ao passo que sons suaves trazem tranquilidade”, menciona o médico.

Além de trazer calma, “a música é um estímulo sensorial de comunicação. Ela funciona como um fator que contribui para o desenvolvimento cognitivo do ouvinte”, comenta a psiquiatra Ingrid Oliveira.  Por essa razão, Ana Carolina usa o projeto Uma sinfonia diferente para estimular os sentidos das crianças envolvidas. Para ela, a música traz segurança às crianças.  “A música traz regularidade, previsibilidade e segurança. Porque a criança sabe que essa música terá início, meio e fim. Não vai mudar. Autista precisa de rotina”, relata.

De acordo com a psiquiatra Ingrid Oliveira, uma das características da criança com TEA é a rigidez de comportamento, repetições e tendência a “fazer as coisas a sua maneira”. Para a médica, a rotina evita que haja quebra no comportamento da criança e que esta fique agitada e agressiva. Müller ressalta que apesar de auxiliar no controle da ansiedade, a rotina não deve ser vista como forma de tratamento.

Inspiração

A musicoterapeuta Ana Carolina reconhece a atuação de Deus durante todo o desenvolvimento do projeto.  Adventista desde a infância, Ana conta que participou do Clube de Desbravadores e de projetos musicais da Igreja. Para ela, a base cristã  teve grande importância no desenvolvimento do projeto. “Só estou conseguindo fazer o que faço hoje pelo que aprendi na Igreja. A parte musical que faz parte da minha vida foi influência da igreja. Foi lá também que aprendi a falar em público e a ter liderança [o que atribui ao Clube de Desbravadores]. Tive uma escola muito boa dentro da igreja”, relembra.

Ana reconhece que o projeto, que nasceu em meados de novembro de 2014, teve inspiração divina.  “Orei muito antes de fazer o projeto e pedi que Deus estivesse no controle. Depois disso, ele não saiu da minha cabeça e vinha acompanhado da frase: ajudando aos pequeninos você me ajudará [Mateus 25:40]”. A musicoterapeuta vê o projeto como uma oportunidade de levar Jesus às famílias envolvidas. “Sempre mando mensagens e orientações baseadas nos ensinos bíblicos e tenho recebido uma resposta positiva”, conta com alegria.

 O projeto

Uma sinfonia diferente é um projeto voluntário que reúne a musicoterapeuta Ana Carolina Steinkopf, a psicóloga Cinthia Vanessa, 21 estudantes de psicologia, uma equipe de filmagem, uma equipe de fotografia, uma banda com sete músicos e uma equipe de produção.

Ana separa cinco horas da semana para ser voluntária dentro do projeto o que, para ela, é um grande prazer. “O que mais fica pra mim [do projeto] é abrir mão do dinheiro. Quando você faz alguma coisa em que acredita e que sabe que vai ajudar outras pessoas, não se importa em não ganhar dinheiro. O pagamento é a melhora da criança e o vínculo afetivo dos pais e dos irmãos”. [Equipe ASN, Aline do Valle]

Veja reportagem veiculada pelo programa Fantástico, da TV Globo, sobre o trabalho da jovem adventista:


 

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox