Notícias Adventistas

Galápagos ganha centro de pesquisa com foco nas origens

Complexo, que fortalece preocupação com sustentabilidade, foi inaugurado no famoso arquipélago, considerado como berço do Evolucionismo

Por Vanessa Arba 29 de fevereiro de 2020

O Origins – Museum of Nature é um projeto da rede de Educação Adventista, com apoio da Igreja mundial (Imagem: divulgação)

No Oceano Pacífico, a cerca de mil quilômetros da costa do Equador, está o arquipélago de Colón, mais conhecido como Ilhas Galápagos. A atividade vulcânica da região originou as 58 ilhas com geografia, fauna e flora peculiares, com espécies endêmicas como as tartarugas gigantes de Galápagos. O arquipélago ganhou fama mundial após a visita do naturalista Charles Darwin, em 1835, a partir da qual começou a desenvolver a sua teoria sobre a seleção natural. Desde então, atrai turistas e pesquisadores, sendo considerada a segunda maior reserva marinha e o principal laboratório vivo de biologia do planeta, e declarado Patrimônio Natural da Humanidade em 1978.

É ali, no berço do Evolucionismo, que um projeto ousado estabelece um contraponto: o Origins – Museum of Nature foi inaugurado neste sábado, 29 de fevereiro, com uma abordagem criacionista sobre o surgimento do planeta e suas espécies.  “Percebemos que Galápagos recebe gente de todo o mundo, interessada em duas coisas, principalmente: o contato com a natureza exuberante e preservada e um conhecimento mais aprofundado sobre as origens. Queremos contribuir apresentando a perspectiva de que tudo isso teve um projetista”, explica o professor Edgard Luz, diretor da rede de Educação Adventista em oito países da América do Sul, principal promotora do empreendimento.

Leia também:

O prédio de 230m² está localizado na principal via do arquipélago, a avenida Charles Darwin, em Puerto Ayora, na Ilha de Santa Cruz. Divide o terreno com o Colégio Adventista Loma Linda e a igreja central da cidade, inaugurados na mesma ocasião.

O que o visitante verá no Origins 

Alguns dos destaques do museu são o uso de tecnologia, inclusive de realidade virtual e aumentada, e coleções como de cascos de tartarugas gigantes e minerais de todo o planeta. O seu enredo foi dividido em ambientes temáticos para envolver o visitante em experiências que lhe ensinarão sobre o mecanismo da vida e dos elementos no universo. Ele também verá curiosidades sobre a biodiversidade de Galápagos. Na sequência, outro salão aborda o conceito da criação, argumentando que tudo o que o visitante viu até então partiu de um projetista com um devido propósito.

Adiante, há um ambiente dedicado à sustentabilidade. “Aliás, esse tema está diretamente ligado ao Criacionismo, pois cremos que Deus formou o planeta e nos deixou como mordomos para cuidarmos dele”, explica Luz. Finalizando o tour, o visitante passa por um salão cujo tema é estilo de vida saudável, “porque não adianta cuidarmos do planeta e não podermos usufruir dele por não cuidarmos de nós mesmos”.

O objetivo é que as pessoas saiam do museu dispostas a colocar em prática os conceitos aprendidos, e que propaguem essa mensagem ao retornarem aos seus países. Com esse potencial de alcance, o Origins já é considerado um dos maiores projetos influenciadores adventistas. “Eu creio firmemente, assim como crê a Igreja, que Deus criou o mundo (…), e temos evidências para provar isso. E este centro de influência demonstrará isso para todo o planeta”, frisa o pastor Ted Wilson, presidente mundial da denominação.

O contraponto das teorias 

Além do museu, o complexo dispõe de apartamentos mobiliados para receber pesquisadores que queiram desenvolver seu trabalho em Galápagos. Segundo o doutor Marcos Natal, que é o diretor sul-americano do Geoscience Research Institute e presidente da Sociedade Criacionista Brasileira – ambos apoiadores do projeto – o objetivo é que o local seja um centro de suporte à pesquisa científica. “Temos, claro, o viés da fé, mas queremos mostrar que é possível e bastante razoável abordar o Criacionismo por um viés científico”, declara o geólogo.

Considerando que a comunidade no arquipélago sobrevive do contexto evolucionista, Natal garante que a abordagem do centro não é de confronto. “Se quiséssemos fazer um enfrentamento, não teríamos nos estabelecido lá. Em Galápagos só vemos microevolução; o que Darwin viu lá, de certa forma, caminha junto com aquilo em que nós, criacionistas, acreditamos. O ponto polêmico é a macroevolução, e não há, ali, base para desenvolver discussões e argumentos sobre isso. As pesquisas que o Parque Nacional de Galápagos faz hoje são puramente relacionadas à preservação da natureza, recuperação de espécies ameaçadas, controle de espécies invasoras, etc. Como cientistas, queremos contribuir com estudos de qualidade para que o arquipélago continue sendo esse paraíso que é hoje”.

Inauguração

O sonho da construção do centro nasceu em 2016, durante o primeiro Encontro de Fé e Ciências, que reuniu em Galápagos cientistas e pesquisadores de todo o mundo para dialogar sobre o Criacionismo e promovê-lo nas instituições educacionais e templos adventistas. A inauguração ocorreu durante a terceira edição do evento e contou com a presença de representantes de várias instituições e instâncias da Igreja Adventista que apoiaram e subsidiaram a construção do local.

Veja abaixo fotos da inauguração do centro:

Visitando o Origins 

Grupos que queiram organizar excursões ao centro e pesquisadores interessados em usufruir das suas instalações precisam contatar o departamento de Educação da sede sul-americana da Igreja Adventista. Já no local, serão recebidos por uma equipe sob a liderança da bióloga e doutoranda em Zoologia, Maura Eduarda, responsável pela gestão do museu. Em breve será lançado o website oficial, com informações sobre sua estrutura e funcionamento.

 Muito além do Origins 

Estando estreitamente vinculado à Educação Adventista, o Origins nasce acompanhado de outros projetos da Rede. Durante o ato de inauguração houve a estreia da série de filmes Origens – Expedição Galápagos, produzida para o público adolescente, e que será utilizada como objeto pedagógico nas mais de 950 unidades escolares na América do Sul.

Trata-se de um conteúdo multiplataforma, interdisciplinar e interativo, que conecta o espectador a outras plataformas para obter informações mais detalhadas sobre coisas que ele vê no filme. Os primeiros episódios da série estarão disponíveis em breve no Feliz7Play.

Outro projeto corre paralelamente: a Rede lançará, para os seus alunos, um documentário sobre como fazer filmes. Eles serão incentivados a produzir vídeos dentro da temática do Criacionismo. As obras serão avaliadas e premiadas num concurso internacional.

Assista ao vídeo da inauguração (em espanhol) e conheça os ambientes:

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox