Notícias Adventistas

Comportamento

Por que pais e mães agem mal, mesmo sabendo o que devem fazer?

Fatores como mau exemplo, falta de tempo e cansaço propiciam a que os pais falhem na educação dos filhos, mas há solução para isso em Deus


  • Compartilhar:

Muitas vezes, ao priorizar outras demandas, a educação dos filhos fica em segundo plano, e os pais já não têm tanta energia para empenhar nesta tarefa (Foto: Shutterstock)

Vivemos numa era de muita informação e, quando o assunto é educação de filhos, estes conteúdos vão desde opiniões que não pedimos até as modernas teorias sobre como educar, levando em consideração as descobertas científicas acerca do nosso desenvolvimento cerebral. Temos livros, blogs, vídeos, cursos... O banquete é grande. Estamos bem servidos. Mas sabemos que ter conhecimento não é suficiente. Pais e mães erram mesmo sabendo o que deveriam (ou não) fazer.

Leia também:

Uma das razões é que muitos de nós crescemos ouvindo e vendo coisas que não são boas, então, acabamos reproduzindo na educação de nossos filhos o que vivemos em nossa infância. Sim, o poder do exemplo também agiu sobre nós. É possível que você tenha dito alguma vez no passado uma frase que começava com “quando eu for pai/mãe, eu…”, e é bem provável que você já tenha falhado nesse mesmo ponto.

Outra razão é que estamos muito ocupados e o comportamento da criança não acompanha o tempo da nossa agenda. Não temos tempo de incentivar um comportamento e esperar que ele ocorra. Queremos falar apenas uma vez e ver a criança agir como orientamos. Acontece que teremos que falar várias vezes porque o processo de educar requer, entre outras coisas, repetição. E, como repetir pode ser chato e não temos tempo para isso, caímos em erros como o de agir com impaciência ou o de fazer vista grossa para coisas que foram combinadas com a criança, por exemplo.

Aqui, considero muito importante lembrarmos de quantas vezes Deus já precisou repetir paciente e amorosamente a mesma instrução para nós, adultos. Certamente há algo que você sabe que Deus deixou revelado e que você não tem praticado devidamente. Como Ele te trata por isso? Será que age contigo como você age com seu filho?

Cansados

Uma terceira razão é que estamos sem energia. Estamos cansados. Vivemos numa sociedade que não dá descanso à nossa mente, produzindo em nós uma sensação contínua de que ainda precisamos fazer mais e mais, não importa o quanto já tenhamos feito (em qualquer área de vida). O cansaço torna qualquer atividade mais desafiadora. E educar já é desafiador por si só. Se a educação dos nossos filhos não for prioridade, nossa energia será gasta com outras coisas primeiro e estaremos esgotados demais para lidar bem com as crianças.

Poderíamos listar, ainda, outras razões pelas quais falhamos mesmo tendo conhecimento. Para todas as razões há uma ferramenta que podemos usar para contornar aquilo que não pode ser mudado ou para mudar aquilo que é possível: a autocompaixão. E não estou falando de autopiedade. Também não se trata apenas de ser gentil consigo, apesar de isso ser muito importante. No vídeo abaixo explico brevemente sobre a importância do exercício da autocompaixão para mães.

Não é conhecimento que nos falta; é sabedoria. Conhecemos muitas coisas, mas nossas decisões nos têm impedido de praticá-las. Não criamos condições adequadas para vivermos aquilo que sabemos. Mas “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria” (Provérbios 9:10). Se iniciarmos nosso dia buscando em Deus a sabedoria e a unção do Espírito que tanto necessitamos, e passarmos o nosso dia ao lado dEle, seremos capazes de corrigir em nós aquilo que nos tem impedido de educar bem nossas crianças.