Notícias Adventistas

Helio Carnassale

Helio Carnassale

Mantendo a visão

A importância da manifestação moderna do dom profético

Propósitos do dom profético

Ellen White, em suas últimas palavras, afirmou que "irmãos e irmãs, eu lhes recomendo este livro".

Ellen White, em suas últimas palavras em um evento mundial da Igreja Adventista, afirmou: “Irmãos e irmãs, eu lhes recomendo este livro” ao referir-se à Bíblia.

Na primeira parte deste artigo, foram apresentadas as condições religiosas do ano de 1844, formando o cenário para o surgimento, segundo creem os adventistas do sétimo dia, da manifestação moderna do dom profético.

A seguir, serão apresentados três dos principais propósitos que justificaram o surgimento de uma atuação profética para essa época.

Leia também:

Ellen Gould Harmon (que depois se tornaria Ellen G. White) havia sido desligada da Igreja Metodista com sua família por aceitar a mensagem anunciada por Guilherme Miller. Caracterizada por um intenso desejo de fazer a vontade de Deus, ela foi chamada ainda em sua juventude, com apenas 17 anos, para ser mensageira e escritora em um tempo de dúvidas e incertezas. Com uma vida marcada por equilíbrio, fidelidade, simplicidade, espiritualidade e perseverança, ela se tornou cofundadora da Igreja Adventista do Sétimo Dia e exerceu grande influência no período formativo da denominação. Em seu longo ministério de quase 70 anos, Ellen sempre chamou a atenção de seus irmãos para a Bíblia e para a pessoa do Senhor Jesus.

Propósito 1 – Chamar a atenção para a Bíblia

A última vez que Ellen White compareceu a uma assembleia mundial da Igreja Adventista (essas reuniões são conhecidas até hoje como Assembleia da Associação Geral) foi na cidade de Washington, nos Estados Unidos, no período de 13 de maio a 6 de junho de 1909[1]. Ela fez 11 discursos, o que incluiu três sermões aos sábados pela manhã. No encerramento, ocorrido no domingo, dia 6 de junho, ao terminar aquele que seria seu último sermão numa reunião mundial dos adventistas, ela deixou uma mensagem aos participantes. Quando ia se afastando do púlpito, antes de assentar-se, retornou, e com a Bíblia nas mãos, pronunciou: “Irmãos e irmãs, eu lhes recomendo este livro”[2].

Propósito 2 – Exaltar a pessoa do Senhor Jesus

Um segundo episódio que também ilustra adequadamente os propósitos para a manifestação moderna do dom profético foi relatado por James Nix, diretor do White Estate, instituição adventista que cuida do patrimônio literário de Ellen White. Ele contou sobre uma lembrança, em um de seus seminários, que ouviu de Ella May White Robinson, neta mais velha de Ellen White. Segundo Ella, a lembrança mais apreciada de sua avó se referia a um fato acontecido num sábado, quando a ouviu. A Enciclopédia Ellen G. White também registra isso. De repente, “fez uma pausa no meio do sermão e pareceu por um momento esquecer o auditório sentado à sua frente. Erguendo os olhos como se contemplasse diretamente o rosto de Cristo, exclamou: “Oh Jesus, como eu te amo! Como eu te amo!’” [3].

Os dois registros da vida de Ellen White reafirmam os principais propósitos de sua missão como mensageira do Senhor. Um deles é o de chamar a atenção para Bíblia (nunca para si mesma) e exaltar a pessoa de Cristo, em contraste com profetas falsos que chamam a atenção para si mesmos e se sentem autorizados a mudar as revelações bíblicas. Nas 100 mil páginas que ela deixou escritas, não se pode achar uma única linha em que ela se exalte ou que contrarie a Bíblia. Em toda sua vida, não houve uma só vez em que ela se colocasse acima de seus irmãos ou reclamasse autoridade para mudar o que já havia sido revelado nas Escrituras Sagradas. Não é demais lembrar que essas duas características fazem parte do conjunto de provas baseadas na Bíblia (Isaías 8:20 e I S. João 4:2,3) para atestar a veracidade de um profeta.

Propósito 3 – Guia contra os poderosos enganos do tempo do fim

Além de chamar a atenção para a Bíblia e exaltar a pessoa do Senhor Jesus, é importante frisar a importância do dom profético como guia seguro face aos enganos fatais do tempo do fim. Na primeira parte deste artigo, foi citado o texto de II Crônicas 36:15,16, em que o fato de enviar profetas demonstrou a compaixão de Deus para com Seu povo no passado. Isto pode ser comprovado na experiência do remanescente fiel, que está vivendo no tempo do fim.

Já foram publicados nesta coluna dois artigos apresentando a ligação de Apocalipse 12:17 com a manifestação moderna do dom profético, cumprida na vida, obra e ministério de Ellen G. White. A ênfase dada aqui está no perfil de guia e proteção que essa presença profética exerce diante dos poderosos enganos que se manifestarão no final dos tempos (ver Apocalipse 13:5,6 e 13,14). Ranko Stefanovic, professor de Novo Testamento no Seminário Teológico da Universidade Andrews, nos Estados Unidos, escreveu: “Satanás fará todo esforço possível para enganar e destruir o remanescente, mas Apocalipse mostra que o povo fiel de Deus terá o dom profético para guiá-lo através desses tempos difíceis”[4]. Assim, a presença do dom profético entre o remanescente fiel cumprirá o importante papel de guiar com segurança o povo de Deus até a eternidade.

Encontramos no Evangelho de Lucas uma passagem que ilustra os propósitos da manifestação moderna do dom profético. Logo depois da crucifixão de Jesus, dois discípulos voltavam desanimados e tristes para Emaús. Naquele caminho, o Cristo ressurreto, “começando por Moisés, discorrendo por todos os profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras” (Lucas 24:27). Esse relato chama a atenção para a Palavra de Deus e para a pessoa de Jesus e serviu para guiar aqueles homens à compreensão correta do que estava acontecendo. O que Jesus disse aos dois discípulos naquele caminho para Emaús (Lucas 24:25,26) chega até nós hoje com o propósito de deixarmos de ser “néscios e tardos de coração” e “crer tudo o que os profetas disseram”. Qual será nossa reação? Qual será nossa resposta?


Referências

[1] Fortin, D. e Moon J. (ed). Enciclopédia Ellen G. White. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2018, p. 94.

[2] White, Arthur L. Ellen White: mulher de visão. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2015, p. 503.

[3] Fortin, D. e Moon J. (ed). Enciclopédia Ellen G. White. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2018, p. 599.

[4] Stefanovic, Ranko. El libro de Apocalipsis: Revelación para los últimos días. Florida, Buenos Aires, Argentina: Asociación Casa Editora Sudamericana, 2018, p. 95.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox