Notícias Adventistas

Adventistas ajudaram mais de 2,8 milhões de pessoas em 2020 

Ajuda dos adventistas, em oito países sul-americanos, beneficiou milhões de pessoas e é resultado de diferentes esforços de várias áreas e departamentos.

Por Felipe Lemos 22 de dezembro de 2020

Solidariedade foi muito importante em um ano de pandemia. (Foto: Divulgação)

Em um ano caracterizado predominantemente pelos efeitos da pandemia da Covid-19, as diferentes instituições da Igreja Adventista do Sétimo Dia, em nível sul-americano, reagiram. Ao longo dos meses, fizeram a diferença na vida das pessoas que mais sofrem em um período de grandes limitações.

Vários fatores afetaram a sociedade mundial, principalmente após o anúncio feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em março, de que a doença atingiu nível de pandemia. Questões como isolamento, distanciamento social, contaminação e mortes de pessoas, desdobramentos econômicos e sociais com aumento de desemprego e perdas salariais, e muita ansiedade e apreensão, no entanto, não impediram a realização de projetos e atividades pelos adventistas.

Leia também:

Principais notícias sobre projetos sociais adventistas

Batalhão de beneficiados

Dados mostram que, de janeiro até a primeira quinzena de dezembro de 2020, a Igreja Adventista do Sétimo Dia somou mais de 2 milhões e 894 mil pessoas beneficiadas em diferentes projetos sociais. O total de beneficiados leva em conta a apuração de dados provenientes de várias frentes de ação: pessoas atendidas com roupas, alimentos e de outras maneiras em diversos projetos da Ação Solidária Adventista (ASA), um departamento presente nas igrejas locais; gente beneficiada com doações da Rede de Educação Adventista; pessoas favorecidas pelo projeto Ouvido Amigo, liderado pelo Ministério da Mulher e respostas a emergências da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA). Além disso, foram computados, também, dados de participantes do projeto de doação de sangue Vida por Vidas.

ASA

No caso da ASA, foram atendidas 1.621.436 pessoas em um ano. Mais de 4 milhões de quilos de alimentos foram doados e 93.989 pessoas receberam estudos bíblicos nos mais de 79 mil projetos de atenção à comunidade próxima aos templos locais.

Educação Adventista

A Rede de Educação Adventista, presente nos oito países sul-americanos, também se mobilizou para fazer a diferença. Pelo menos 116.019 pessoas foram beneficiadas com ações diretas realizadas nas unidades escolares. Isso se traduziu, por exemplo, em 42.260 cestas básicas doadas, 14.6867 peças de roupas entregues, 7.768 kits de higiene, além de outras ações como doação de sangue, entrega de litros de leite, doação de óculos, pagamentos de serviços básicos, fornecimento de máscaras, etc.

Projeto Ouvido Amigo

Realizado por voluntários, o projeto Ouvido Amigo foi idealizado especialmente no contexto pandêmico. Após observar que muitas pessoas apresentavam reações negativas em termos psicológicos, o Ministério da Mulher, em suas diferentes regiões, organizou plataformas de atendimento online para dar suporte à população.

O total de psicólogos envolvidos nessa iniciativa chegou a 827. Juntos, eles deram atenção profissional gratuita a 79.772 pessoas.

Vida por Vidas

O projeto de incentivo à doação de sangue, chamado Vida por Vidas, também fez a diferença no ano de isolamento. Nos últimos cinco anos, segundo levantamento do Ministério Jovem, 702.302 pessoas participaram como doadores em oito países sul-americanos.

Somente no ano pandêmico, no entanto, 65.742 pessoas saíram, com todos os cuidados necessários, para fazer doações que reforçaram estoques de bancos de sangue e hemocentros.

ADRA

O levantamento apurou, ainda, alguns dados relacionados a atendimentos feitos pela Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) em oito países sul-americanos, incluindo o Brasil. Foram registrados 31 projetos gerais de emergência, com 225.550 beneficiados, e 115 iniciativas de emergência relacionadas exclusivamente à Covid-19, com 913.428 pessoas beneficiadas. O total foi de 146 projetos, somando 1.138.978 beneficiários.

Acolhida e hoje acolhendo

A pandemia também mudou a rotina de crianças atendidas em um dos abrigos mantidos pela ADRA em Vitória, na capital do Espírito Santo. Neste local trabalha a cuidadora social Juliana de Rosário da Silva, de 20 anos. Ela é uma das pessoas por trás de todos estes números do balanço social das instituições adventistas.

Juliana chegou até uma casa de acolhida (também mantida pela ADRA na capital capixaba) aos 16 anos de idade. Sua situação era de abandono da família, assim como de dois irmãos, até por volta dos 14. Sem residência fixa ou referências, inclusive tendo sofrido violência física de um padrasto, encontrou no projeto da agência humanitária adventista um porto seguro. Hoje, como funcionária de um projeto da ADRA, ela é uma das responsáveis por trabalhar com aproximadamente 14 crianças, a maioria delas em uma situação muito semelhante à que viveu na adolescência.

Depois de um passado complicado e um presente promissor, a jovem sonha com um futuro ainda melhor. Prepara-se para cursar Pedagogia e manifesta sua gratidão pelo sistema de acolhimento proporcionado pela ADRA. “Eu sou muito grata à agência e a todo este trabalho realizado”, afirma.

Infográfico resumido das principais ações solidárias consolidadas das instituições adventistas em 2020. (Arte: Antônio Abreu)

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox