Notícias Adventistas

Música

Música, adoração e vida cristã

Estudiosos da música e da Bíblia apontam características da adoração cristã


  • Compartilhar:
música
Apesar da Bíblia não ser específica em defender estilos musicais, o livro deixa claro os princípios a serem seguidos (Foto: Shutterstock)

A discussão sobre os estilos musicais adequados para o culto na igreja, bem como para a vida pessoal, é vista como complexa e controversa. Com alguma frequência, perguntas são feitas, porém não respondidas satisfatoriamente ou são recebidas com visões diferentes.  

Questionamentos são levantados sobre as possíveis implicações morais, emocionais ou espirituais da linguagem musical; ou seja, se a música ou o ritmo musical podem exercer influência sobre as pessoas, independentemente da letra. Além disso, existem dúvidas sobre se a música vai além do argumento estético, artístico, para entrar no terreno da ética, da moralidade e da espiritualidade. 

Explicações são levantadas a favor ou contra a ideia de que os estilos musicais impactam as crenças ou valores pessoais. Também não há consenso sobre a possível influência dos diferentes elementos da música como a melodia, a harmonia e o ritmo. Em suma, podem ser encontrados critérios válidos para orientar a escolha da música para os indivíduos, as famílias ou as instituições como a igreja? Tal escolha tem relação genuína com a espiritualidade e a religiosidade? 

A música como linguagem e estilo 

O conceito da música pode ser construído como uma linguagem particular que precisa ser escolhida apropriadamente para o cumprimento de seu objetivo? O que se entende por essa linguagem? Essas perguntas refletem a tensão existente entre a tendência de pensar que a música, inclusive sem letra, pode comunicar algo que o ouvinte pode entender com alguma clareza, e a suposição de que a música não comunica muito mais do que qualidades estéticas. 

Muitos consideram que a música, sem considerar a letra, é “um veículo essencialmente neutro”. i Consequentemente, a atenção é dada quase exclusivamente à mensagem da letra, entendendo que a música não faz parte dessa mensagem, de modo que qualquer discussão sobre estilos musicais se torna irrelevante. Outros se opõem resolutamente à noção de neutralidade da música. 

Um conhecido seminário sobre música cristã, transmitido pela Bible Broadcasting Network (BBN), foi precisamente intitulado: “A linguagem da música”. Seu apresentador, o professor de teoria musical Frank Garlock, concentra seu argumento na tese de que a música é uma linguagem; portanto, não pode ser amoral ou neutra. Ele afirma: “As notas individuais são neutras, mas quando começa a combiná-las e adicionar ritmo a elas, você começa a transformá-la em linguagem. E você pode ter música boa ou ruim dependendo da combinação dos elementos e da maneira de executá-la. A música é comunicação; portanto, tem qualidade moral”. O documento intitulado “Uma filosofia adventista sobre a música” concorda com Garlock nesse aspecto: “A música não é moral nem espiritualmente neutra”.ii  

Em seu livro In Tune With God [Em sintonia com Deus], Lilianne Doukhan diz que existem dois pontos de vista sobre a neutralidade da música. O primeiro assume uma postura mística e supersticiosa ao atribuir à música um poder mágico, e o segundo nega que a música tenha efeitos sobre o ser humano. A autora não acredita que a música seja neutra, embora considere que seu efeito seja enquadrado pelas experiências e pelas circunstâncias.iii  

Estética e espiritualidade 

Ao refletir sobre os desafios da música contemporânea de adoração, ela diz: “Precisamos redescobrir e entender que a música fala em uma linguagem própria, independente das palavras [...]”.iv A autora não acredita que haja correspondência entre estética e ética: “É importante distinguir entre a experiência estética (espiritual) e a experiência religiosa; elas não são equivalentes”.v  

Em vez disso, ela acredita que o poder da música está na intensificação (intensifica tanto o efeito das palavras quanto a receptividade das pessoas), no embelezamento (dá beleza a eventos, palavras, experiências ou ações), no estímulo e reforço (traz ânimo, energia, etc.), e nas associações (a conexão entre a música e seu ambiente).vi  

Aqueles que acreditam que a música não é neutra costumam advertir sobre as consequências práticas de assumir uma posição contrária. Na pesquisa traduzida como Música sacra, cultura e adoração, Wolfgang Hans Martin Stefani afirma: “Essa ideia levanta questões sobre a possibilidade ou não de distinguir entre o sagrado e o profano na música, assim como as questões relacionadas às associações musicais”.vii Ele ressalta que, além da letra, a música comunica uma mensagem, um significado e que a música não é um meio neutro, uma vez que a ideia de neutralidade esvazia a música de qualidades morais, reduzindo-a a qualidades artísticas.viii 

Estilos musicais 

E quanto ao estilo? Há orientações sobre os estilos musicais mais adequados para a música cristã? Se por estilo entende-se um gênero musical específico (balada, blues, clássico, country, criollo, pop, rap, rock, etc.), é evidente que não serão encontradas prescrições na Bíblia ou nos escritos de Ellen White. Agora, se por estilo entendemos uma forma de fazer música, ou as características que a identificam, é possível extrair da revelação algumas orientações úteis. 

Um simples estudo sobre a música na Bíblia pode nos dar importantes implicações para sua consideração atual. Por exemplo: (1) que a música é um dom de Deus a ser recebido, cultivado e empregado para Sua glória; (2) que a música dedicada a Deus é cultivada com a dignidade de um ministério; (3) que a música destinada ao culto deve ser organizada com cuidado e espírito de serviço; (4) que os músicos e os líderes religiosos devem trabalhar em harmonia e cooperação; (5) que os responsáveis pela música desempenharão um ministério melhor se forem escolhidos e apoiados em seu desenvolvimento musical, espiritual e teológico; (6) que a qualidade musical, a beleza estética e a relevância dos textos devem ser intencionalmente buscadas; (7) que as letras devem ser essencialmente teocêntricas, educativas, sem esquecer seu alcance evangelizador.ix 

O mesmo pode ser dito sobre os muitos conselhos de Ellen White. A autora ressalta que a música e o canto são dons preciosos de Deus, depois aponta certas características positivas e negativas que compõem diferentes formas de fazer música.x São valorizados negativamente, por exemplo, a exibição teatral, os movimentos corporais e os gestos exagerados, as notas prolongadas (como na ópera), a ostentação, o ruído que atordoa os sentidos, o volume excessivo, a aspereza, o barulho e a confusão, o exibicionismo, o formalismo, as vozes agudas e estridentes. Pelo contrário, são apreciadas a dignidade, a música melodiosa, harmoniosa, clara, suave, as canções alegres com melodias solenes e palavras pronunciadas com clareza.  

Como pode ser lido literalmente: “Não é o canto alto que é necessário, porém entonações claras, a pronúncia correta, a dicção distinta. Tomem todos tempo para cultivar a voz, de maneira que o louvor de Deus seja entoado em tons claros, suaves, sem asperezas e estridências que ofendam ao ouvido. A aptidão de cantar é dom de Deus; seja ele usado para glória Sua”.xi “O bom canto é como a música dos pássaros – dominado e melodioso.”xii “A música deve possuir beleza, poder e faculdade de comover.”xiii 

Elementos e critérios 

Sabe-se que a música combina e equilibra vários elementos básicos como a melodia (sucessão de sons), a harmonia (acordes ou sons simultâneos), o ritmo (ordenamento e duração dos sons), a cor (qualidade do som), o timbre (som característico), o tempo (velocidade da execução), etc. 

Ocasionalmente, tem se tentado relacionar esses elementos musicais com seus possíveis efeitos sobre as pessoas (razão, emoções, corpo).xiv Nesse processo, intervêm o compositor, o intérprete e o ouvinte. Parece evidente aqui que o melhor efeito ocorre quando a música é caracterizada por qualidade, equilíbrio entre dissonâncias e consonâncias (entre tensão e repouso), variedade, clareza, naturalidade, boa afinação, volume razoável, riqueza poética e relevância dos textos.  

Alguns estudos de aplicação desses critérios têm sido ocasionalmente divulgados. Jeffrey K. Lauritzen, por exemplo, menciona a seguinte conceituação: “A música, em sua definição mais simples, é composta por três elementos: melodia, harmonia e ritmo. Esses três correspondem a pelo menos um nível no que diz respeito ao espírito ou intelecto do homem; suas emoções e sentimentos; e seu corpo ou necessidades físicas. Ao escolher a música para o culto, sua hierarquia deve ser mantida intacta: a melodia deve reinar suprema. A harmonia apoia a melodia, mas nunca a suplanta. O ritmo deve sustentar ambas, mas nunca suplantá-las”.xv Em geral, exige-se um equilíbrio e uma ponderação entre os três elementos fundamentais.  

Lilianne Doukhan afirma que a música de valor duradouro tem um equilíbrio adequado entre os três principais elementos da música: melodia, harmonia e ritmo, e um equilíbrio conveniente entre os princípios de repetição (que produz tensão) e variedade (que produz relaxamento). Ela destaca ainda que a essência do estilo musical depende do uso criativo desses elementos.xvi Wolfgang H. M. Stefani, por sua vez, refere-se à capacidade de comunicação dos elementos musicais: “Por meio da melodia, da harmonia, do ritmo e de outros elementos, a música transmite emoções e estados de ânimo”.xvii 

Outro dos inevitáveis critérios musicais tem a ver com o volume, dada a necessidade de não exceder os decibéis recomendados pela ciência médica. Talvez ainda mais discutido seja o assunto da preponderância do ritmo sobre a melodia. 

Música contemporânea 

Lilianne Doukhan fala sobre os pontos fortes e os desafios da chamada Música de Adoração Contemporânea. Como pontos fortes, ela lista os seguintes: (1) muitas vezes a letra é tirada diretamente das Escrituras; (2) é fácil de aprender porque é simples, previsível e repetitiva; (3) tem flexibilidade rítmica; (4) permite que os jovens usem seus talentos na execução de instrumentos; (5) é criativa. Os desafios seriam os seguintes: (1) muitas vezes é excessivamente contextual, sentimental e egocêntrica; (2) precisa recuperar a consistência entre a mensagem do texto e o estilo musical; (3) requer o uso prudente da tecnologia, de maneira que (por exemplo) as faixas musicais não substituam a oferta musical dos músicos; (4) precisa se proteger contra a manipulação emocional; (5) precisa mostrar prudência em relação a atitudes e associações seculares.xviii 

Quais são algumas das características às vezes preocupantes da música cristã contemporânea? (1) A repetição excessiva e a monotonia de algumas composições musicais; (2) o sentimentalismo excessivo; (3) o volume exagerado; (4) a ênfase antropocêntrica. “A ênfase de muitas músicas religiosas contemporâneas no ‘me’, ‘mim’ e no ‘eu’ reflete a teologia egocêntrica que é tão predominante hoje... A teologia egocêntrica das músicas contemporâneas é refletida nessas letras que contêm apenas referências vagas ou obscuras a coisas espirituais.”xix 

Além da música 

O conhecido autor evangélico John MacArthur apresentou ao mundo cristão uma séria reflexão sobre a adoração e a música. No apêndice de uma de suas obras mais difundidas, ele se refere às mudanças ocorridas nos últimos séculos.xx Diz que uma alteração profunda aconteceu na música da igreja no final do século XIX, quando os hinos, mais doutrinários e didáticos, foram substituídos pela música gospel, com menos conteúdo doutrinário, mais simples, subjetivas, emocionais, populares e evangelísticas.  

E desde o final do século XX, outra grande modificação aconteceu, quando as músicas de louvor seguiram a música gospel, com melodias atraentes, mais curtas e repetitivas, como expressões pessoais de louvor, sem nenhum propósito didático. MacArthur está mais preocupado com o conteúdo do que simplesmente com o estilo. Ele explica em uma nota de rodapé: “Acredito que o estilo deve ser apropriado ao conteúdo e, por isso, oponho-me a algumas músicas cristãs contemporâneas com base no estilo. No entanto, minha primeira preocupação – e o ponto que enfatizo neste capítulo – tem a ver com o conteúdo, não com o estilo”. xxi 

Conselhos bíblicos 

As Escrituras têm algo a dizer sobre o canto e a música? Claro que sim, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. É possível retornar ao hinário de Israel (o livro dos Salmos) em busca de inspiração, motivação e um modelo para a adoração adequada. Como grande parte da poesia hebraica, os Salmos são caracterizados por uma profunda consciência da realidade de Deus, de Sua presença; mostram amor pela natureza e por seu Criador; expressam profundas verdades éticas e qualidades humanas fundamentais, como afeto, angústia, amor, dor e confiança.xxii  

Quais são seus temas centrais? Alguns dos tópicos que poderiam iluminar todos os louvores musicais são os seguintes: (1) a oração; (2) a gratidão; (3) o louvor; (4) a adoração; (5) a história do povo de Deus; (6) as virtudes morais; (7) a família; (8) a vinda do Messias; (9) o arrependimento e o perdão; (10) o culto.xxiii Os Salmos apresentam alguns princípios que continuam sendo valiosos para a música de adoração: (a) o princípio do foco (eles estão centrados no Senhor, em Seu caráter e Seus propósitos); (b) os princípios da motivação (a gratidão, o louvor, a admiração, a adoração, tão importantes em toda manifestação musical); e (c) o princípio da excelência (que impele a oferecer ao Céu o que há de melhor em riqueza poética e qualidade musical, além da imprescindível sinceridade e disposição de entrega).xxiv 

As duas passagens apostólicas mais concretas sobre a música cristã são encontradas em Efésios 5:19 e Colossenses 3:16. Nelas, com plena consciência da obra de Cristo e do Espírito Santo, Paulo exorta os crentes a se expressar com canções de louvor: “Falando entre vós com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Efésios 5:19). Novamente ele diz isso com palavras similares: “A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais; cantando ao Senhor com graça em vosso coração” (Colossenses 3:16). Esses textos de Paulo são os mais instrutivos do Novo Testamento.  

Pode ser difícil entender o que eram os “salmos, hinos e cânticos espirituais”. É evidente que os salmos vinham dos antigos hebreus; que os hinos eram dirigidos a Cristo (como pode ser visto em determinados hinos cristocêntricos que aparecem em Efésios 5:14; Filipenses 2:6-11; Colossenses 1:15-20; 1 Timóteo 3:16; 2 Timóteo 2:11-13; Hebreus 1:3); e que os cânticos espirituais eram possivelmente músicas espontâneas de louvor (1Coríntios 14:15). Mas o que é inegável é que a música cristã era participativa, educativa, interativa, cristocêntrica e profundamente espiritual, o que também dava lugar à diversidade e à espontaneidade.xxv Tanto o antigo (os Salmos) quanto o mais recente (hinos) e o atual (cânticos espirituais) tinham seu lugar. 

A música, com toda a sua beleza e complexidade, é um veículo fascinante de expressão e comunicação. Quando se destina à adoração, à inspiração e ao testemunho, precisa ser escolhida e tratada com o maior esmero a fim de alcançar os objetivos propostos. Seria bom, em busca de sabedoria e conselho, um retorno a Deus, por meio da oração, e à Bíblia, em busca de orientação, para prosseguir com o sublime propósito de existir para a glória de Deus e para a benção dos homens. 


Daniel Oscar Plenc, PhD. Doutor em Teologia pela Universidade Adventista del Plata (UAP), é professor da Faculdade de Teologia da UAP e diretor do Centro de Pesquisa White.