Notícias Adventistas

Voluntários levam alimento e doações para coletores de recicláveis

No mês de junho o projeto "Time do Bem" atendeu a Comunidade da Lagoa, uma vila onde vivem 50 famílias que dependem da coleta de materiais recicláveis para subsistência

Por Rebeca Silvestrin 6 de junho de 2020

Existem muitas maneiras de levar amor e cuidado para quem tanto precisa e um grupo de voluntários adventistas de Campo Grande alcançou uma comunidade na periferia da capital, através de atendimentos básicos, além de doações de roupas, alimentos e entrega de kits de higiene bucal para crianças.

O projeto conhecido como “Jantar do Bem”, apesar do nome, atua em diversas frentes de ações sociais atendendo comunidades carentes por toda a cidade. No mês de junho o projeto atendeu a “Comunidade da Lagoa”, uma vila onde vivem 50 famílias que dependem da coleta de materiais recicláveis para subsistência. “Banho do Bem, Jantar do Bem, Caravana do Bem e Bem em Movimento, a gente já pensou em vários nomes mas a essência é a mesma: fazer bem. A gente busca atender e levar amor àquela parcela da população que tanto precisa de um olhar mais atento e carinhoso da sociedade”, conta Wilton Candelório, idealizador do projeto.

Segundo o voluntário, foi depois que o grupo percebeu a necessidade de comunidades carentes da própria cidade que decidiram montar um programa que levasse uma espécie de atendimento contínuo. “Foi aí que decidimos partir para o auxílio às comunidades e além de atender os usuários e moradores de rua, hoje, alcançamos também os bairros mais carentes e periféricos da nossa capital. A essência do nosso projeto é o amor às pessoas, aquilo que Deus nos mostra em Sua palavra, que nós precisamos fazer algo pelo nosso próximo. Então, levamos o alimento espiritual e, em tempos de pandemia, levamos o nosso ‘abraço carinhoso’ em forma de doações e tempo dedicado, mostrando que estamos ali por eles”, frisa.

Para o contador Renato Weyber, voluntário no projeto, levar uma mensagem de esperança ao falar do amor de Deus é um dos maiores confortos que as pessoas alcançadas pela ação podem receber nesse momento tão desafiador. “Esse é um projeto transformador porque as pessoas aqui passam por tantos problemas e lutas diárias, mas precisamos dizer que existe um Deus que as ama e não as abandonou. Tentamos levar esse conforto ao coração delas para que saibam que não estão sozinhas. E que há esperança”, acredita.

As famílias atendidas pela ação vivem em uma comunidade localizada ao lado do depósito de lixo da capital e sobrevivem daquilo que ganham com a venda de materiais para a reciclagem. Vivem com muito pouco e as últimas semanas foram desafiadoras, é o que conta a moradora Rosana do Amaral. “A gente trabalha com reciclagem e no momento da pandemia nossa renda está muito baixa. Esse projeto veio em um bom momento e foi uma grande ajuda, porque todas as famílias aqui da ‘Lagoa’ têm filhos e, por conta disso, precisamos muito de doações de alimentos, especialmente. Somos mais de 50 famílias que puderam receber esse carinho e respirar um pouco mais aliviadas nessa crise”, agradece.

Para a idosa Marinalva Pereira, outra moradora da comunidade, com a chegada do inverno, o projeto preencheu um buraco que muitos deles não sabiam como resolver. “Eles trouxeram agasalhos e cobertores, coisas que todas as famílias aqui precisavam muito e por isso somos muito gratos”, pontua.

Como mensurar o valor de uma pessoa, como mostrar cuidado, atenção e carinho em uma sociedade que se mostra cada vez mais individualista? A voluntária Mirian Santana, que prepara todas as semanas as marmitas para a ação, explica porque o projeto ressignifica o sentido de ser cristão. “Eu me sinto transbordando ao fazer parte disso. Porque as pessoas acham que ser cristão é sentar em um banco de igreja, mas na verdade, é por em prática aquilo que Deus nos ensina. É olhar para as pessoas lá fora e ver que há uma realidade além dos muros da igreja e que o amor de Deus tem que chegar até elas também”, ressalta.

O projeto “Jantar do Bem” chega a cada semana a um bairro diferente da cidade de Campo Grande e sobrevive através de doações e de voluntários. “Nosso maior objetivo é ajudar as pessoas e levar o nome de Jesus por onde a gente for”, conclui Wilton.

Se você pode e gostaria de ajudar o projeto fazendo uma doação ou sendo voluntário, entre em contato com o líder da ação através do (67) 9 9847-9036, falar com Wilton Candelório.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox