Notícias Adventistas

Missão

Adventist Frontier Missions Brasil e o trabalho na janela 10/40

Treinamento da AFM que antes só acontecia nos Estados Unidos e na África do Sul, agora também é uma realidade no Brasil


  • Compartilhar:

Missionários da AFM Brasil que irão para a janela 10/40 a partir de 2022

Conheça a AFM

Com sede nos Estados Unidos e escritórios no Canadá, Brasil, Romênia e África do Sul, a Adventist Frontier Missions (AFM) estabelece movimentos de plantio de Igrejas Adventistas do Sétimo Dia entre grupos de pessoas não alcançadas, ou seja, grupos que ainda não conhecem a Cristo.

Esses povos que não ouviram o evangelho, somam mais de 3 bilhões de pessoas, e aproximadamente 86% delas vivem na Janela 10/40, que vai desde o leste da África até o sudeste da Ásia, entre 10 e 40 graus de latitude Norte. Essas pessoas estão geralmente isoladas por barreiras geográficas, políticas, linguísticas e pelo preconceito. O que dificulta a presença de cristãos vivendo em seu meio.

A AFM entende que o Reino precisa ser pregado! O evangelho deve ser levado a toda nação, tribo, língua e povo (Apocalipse 14:6), e só então Cristo voltará. Por isso, o envio de servos de Deus a essas pessoas é algo necessário e urgente. Nesse processo, estabelecer uma fundação sólida, para que os missionários comecem a discipular e treinar novos conversos para levar a obra adiante é fundamental, e, por meio deste modelo evangelístico é possível não apenas fortalecer os nativos, como também possibilita o crescimento da Igreja Adventista do Sétimo Dia em lugares onde ela não podia entrar antes.

Larissa de Morais, missionária que irá para o campo em 2022, entendeu essa necessidade de ir pregar na Janela 10/40 “Quando eu vi os princípios da AFM e a forma que ela trabalha, meus olhos brilharam. Eu sempre quis ser missionária, eu sempre quis ser enviada para um lugar onde o povo ainda não tivesse recebido a oportunidade de ouvir sobre quem é Jesus”.

Acesse:

Treinamento da AFM no Brasil

Adventist Frontier Missions foi fundada em 1984 em Michigan nos EUA, onde até hoje fica sua sede. Já no Brasil, a AFM está estabelecida há um pouco mais de 5 anos. E durante esse período muitos avanços aconteceram. Como por exemplo, o envio de missionários sul-americanos para alcançar os não alcançados.

Além do mais, em 2021 o Brasil foi definido como o terceiro polo de treinamento da AFM, e agora a agência treina seus missionários não apenas nos EUA e na África do Sul.  Diante disso, entre fevereiro e dezembro do ano vigente já foram treinados, só no Brasil, 35 missionários. Dos quais, 14 já foram enviados ao campo, e os demais irão para a janela 10/40 entre 2022 e 2024.

O pastor Diogo Santos, presidente da AFM no Brasil, compreende o impacto positivo desse avanço. “O dinamismo, criatividade e fácil relacionamento dos sul-americanos é muito bem-vindo ao campo, mas faz-se necessário ajustes às mais diferentes culturas. Ter um treinamento focado em sul-americanos possibilita reforçar os pontos fortes de nossa cultura tanto quanto dirimir os pontos de alerta”, ressalta.

Um dos impactos disso, são missionários mais conscientes com o seu propósito e com os desafios por vir. “O campo missionário é muito maior que a gente e do que imaginamos dele, então se preparar para o que vai acontecer é importante pra conseguir ser um instrumento mais eficaz nas mãos de Deus”, afirma Nazha Carvalho, missionária que foi treinada em dezembro e irá para o Benin em 2022.

Conheça a equipe administrativa da AFM no Brasil

Formado em Administração (FAESA) e em Teologia (Unasp – EC), o Pr. Diogo Santos é o atual Presidente da Adventist Frontier Missions no Brasil.
Da esquerda para direita: Carmem Iorrana (Diretora de Comunicação), Pr. Willian Silvestre (Diretor de Recrutamento), Lydia Vianna (Diretora Financeira), Pr. Diogo Santos (Presidente), Heidi Weber (Diretora Administrativa) e Mario Saavedra (Diretor de Desenvolvimento).