Notícias Adventistas

Ministério da Mulher

Igreja usa atividades lúdicas para falar sobre violência psicológica

Ações sociais, piquenique e palestras envolvendo toda a família foram desenvolvidas para chamar atenção da comunidade


  • Compartilhar:
Piquenique realizado em espaço de estudo bíblico para crianças (Foto: Divulgação)

Acreditando que através das crianças é possível educar e mudar o futuro que o projeto “Eu vou morar no céu” foi desenvolvido durante 30 dias nas igrejas das zonas Norte e Leste de Manaus. A ação faz parte do projeto Quebrando o Silêncio, que em 2022 fala sobre a violência psicológica.

Segundo a diretora do Ministério da Criança e Adolescente para o Norte do Amazonas, Aline de Oliveira, "o principal objetivo é levar as crianças a sonharem com o céu, um lugar perfeito e sem qualquer tipo de violência, só assim eles serão felizes”, detalha.

Leia também:

O método tem dado certo. Na igreja do Monte das Oliveiras, a pequena Lara Lohana, de 10 anos, perdeu até as contas de tudo que já aprendeu em pouco tempo que começou a participar das atividades no local. “Eu venho sozinha, meus pais ainda não vieram a igreja, mas eu peço para eles orarem comigo antes das refeições e eles, mesmo não entendo, fazem por mim, e tudo que eu aprendo aqui falo para eles”, conta a pequena.

violência psicológica
Lara de 10 anos começou a participar do Clube de Desbravadores há um mês (Foto: Divulgação)

Uma tarefa nada fácil é prender atenção dos pequenos. Para isso um piquenique foi montado no meio da sala para que eles aprendam sobre o tema se divertindo. E assim foi em vários pontos da cidade. De acordo com a diretora do Ministério da Mulher para o Norte do Amazonas, Meiryanny Rezzuto, "a ideia este ano foi envolver a família toda nesse projeto. Todos os anos os homens ficavam olhando e muitas vezes não se envolviam. Este ano, eles foram peças fundamentais”, explica.

violência psicológica
Meiryanny Rezzuto, líder do Ministério da Mulher para o Norte e Leste do Amazonas (Foto: Divulgação)

Durante todo o mês de agosto foram realizadas passeatas, caminhadas, feira de saúde, oficinas e palestras em escolas da rede pública e privada de ensino do Amazonas. A estudante de 16 anos, Cristiane Oliveira, cursa o 1º ano do ensino médio e ficou impactada com tudo que ouviu da psicóloga e advogada que palestraram. “Muita coisa que eu ouvi aqui, nem sabia que era violência. Percebi que sofro violência psicológica em casa, na escola e nem sabia. Agora, com essa informação, vou conseguir procurar ajuda e ajudar outras pessoas também”, afirma.

violência psicológica
Aline Oliveira, líder do Ministério de Crianças e Adolescentes, que desenvolveu o projeto "Eu vou para o céu" (Foto: Divulgação)

A programação foi pensada para atender todos os públicos. Enquanto as crianças participam e aprendem no piquenique, os pais recebem orientações de como lidar com as emoções, com a ira e, principalmente, como identificar e evitar a violência psicológica.

O casal Edvaldo Mendes e Eucimara de Lima se tornaram adventistas recentemente e foram impactados pelo programa que envolveu os adultos e as crianças ao mesmo tempo. “Nosso filho de quatro anos está participando do piquenique e nós, da palestra. Isso é muito importante porque assim ficamos todos alinhados a Deus. Ouvir meu filho me dizer que quer me ver no céu reforça minha vontade e responsabilidade de seguir nos caminhos de Deus para manter ele firme”, detalha o pai.

violência psicológica
Edvaldo e Eucimara com o filho no encerramento das atividades (Foto: Divulgação)

Quebrando o Silêncio

Criado há 20 anos pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, tem feito a diferença na vida da sociedade. A pedagoga Neli Rute, que abriu as portas da Escola Estadual Ernesto Penaforte no São José I, zona leste de Manaus, afirma: “Fiquei feliz em receber o projeto em nossa escola. Nossos alunos sempre nos pedem para falarmos sobre violência e sei que eles aprenderam muita coisa. É importante ter esse apoio da igreja, pois esses jovens de hoje estão muito perdidos nesse mundo de informações”, relata.

violência psicológica
Passeatas foram realizadas nas ruas de Manaus pelo Ministério da Mulher

Se presenciar qualquer tipo de violência, denuncie pelo 188 ou 100, em caso de crianças e adolescentes.