Notícias Adventistas

Líder Adventista Protagoniza Debate Sobre Liberdade Religiosa no Estado de Pernambuco

Entre conversas com autoridades e com adolescentes, John Graz lembrou a importância de fazermos história através da luta pela liberdade.

Nesta semana o Brasil recebeu a visita do Dr. John Graz, reconhecido líder na área de liberdade religiosa. Por 20 anos ele foi o diretor mundial de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista e atualmente vive em Lausanne, Suíça, onde dirige o Centro Internacional para Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa (CIRLAP), órgão também ligado aos adventistas.

A comitiva que acompanhou o Dr. Graz contou com a presença de Helio Carnassale, diretor de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista para a América do Sul. Na tarde de quarta-feira o grupo se encontrou com autoridades públicas no Palácio das Princesas, na cidade de Recife, sede do executivo do estado de Pernambuco.

Na oportunidade, o Dr. Graz apresentou o trabalho que a Igreja Adventista realiza por meio da Associação Internacional de Liberdade Religiosa (IRLA, em inglês), a mais antiga entidade do gênero no mundo. Carnassale também enfatizou que o conceito adventista de liberdade religiosa é inclusivo, ou seja, liberdade religiosa para todos.

A visita aconteceu num momento em que o mundo agoniza com perseguições e casos de terrorismo motivados por razões religiosas. Em quase 40% dos países do mundo não é seguro professar uma religião diferente da aceita pela maioria dos habitantes. É o que mostra o último relatório do The Pew Forum of Religion and Public Life, um dos maiores institutos de pesquisa sobre religião em atividade.

Na intensa agenda que Graz teve no estado de Pernambuco, ele fez uma palestra num seminário promovido e organizado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Pernambuco, além de um encontro com estudantes do ensino básico no IAPE, internato na região interiorana de Pernambuco.

Para Graz, a importância de jornadas como esta reside não apenas no dever de orientar as diferentes religiões para um diálogo sobre a liberdade religiosa, mas também reforçar o conceito do termo como sendo um direito constitucionalmente garantido. Segundo o líder, para entendermos o valor de sermos livre, basta lembrarmos do que acontecia em idos tempos em que as pessoas não podiam escolher que religião professar. A partir desta consciência histórica é possível entender a importância de defender a liberdade religiosa nos países em que as restrições ainda são uma realidade.

Ângelo Bernardes – Equipe ASN

 

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox