Notícias Adventistas

Nomeado diretor geral do Instituto Adventista de Tecnologia

Nova instituição adventista vai unificar trabalho de coordenação geral da área de TI da Igreja.

13 de outubro de 2015
Magalhães assume a nova função com o desafio de liderar grupo técnico de desenvolvedores e consultores

Magalhães assume a nova função com o desafio de liderar grupo técnico de desenvolvedores e consultores

Brasília, DF … [ASN] A Comissão Diretiva da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul nomeou, nesta terça-feira, dia 13, o diretor do recém-criado Instituto Adventista de Tecnologia (sigla é Iatec). O pastor Eliezer Magalhães assume como diretor geral da mais nova instituição, que estará ligada diretamente à sede sul-americana adventista (Divisão Sul-Americana).

Magalhães trabalha para a Igreja Adventista há quase 23 anos e já foi funcionário de internatos adventistas (Instituto Adventista da Amazônia Ocidental e Faculdade Adventista da Amazônia), além de trabalhar na Associação Central Amazonas e União Norte (sede adventista responsável pela Igreja para os estados do Pará, Maranhão e Amapá). É, há 4 anos e 9 meses, diretor financeiro da chamada Associação Mineira Central, com sede em Belo Horizonte.

O diretor tem formação técnica em Contabilidade, graduação em Administração de Empresas e especialização em Gestão de Pessoas. Estudou, também, Teologia na Faculdade Adventista da Bahia. Tem 42 anos e é casado com Evelyse Suely Heyer Magalhães com quem tem dois filhos: Giovanna de Lys Magalhães (12 anos) e Gustavo Henrique Magalhães (3 anos).

Instituição

O Instituto Adventista de Tecnologia começará a funcionar, a partir do próximo ano, na cidade de Hortolândia, interior de São Paulo, mesma cidade onde a Igreja Adventista mantém há muitos anos o Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Hortolândia, também conhecido como IASP.

De acordo com o diretor financeiro associado da Divisão Sul-Americana, pastor Gilnei de Abreu, o Iatec vai concentrar, em um só lugar, todas as atividades relacionadas à coordenação da infraestrutura tecnológica e desenvolvimento de softwares para diferentes áreas de atuação da Igreja Adventista. Atualmente nas sedes administrativas e instituições de oito países sul-americanos existem departamentos e áreas de Tecnologia da Informação (TI). E os profissionais responsáveis pela coordenação técnica de todo esse trabalho atuam em cinco polos diferentes na América do Sul.

Na prática, esses especialistas criam softwares, por exemplo, para gestão das escolas e colégios adventistas, controles da corretora de seguros da Igreja, a Adventist Risk Management (ARM), entre outras áreas. Nesse núcleo técnico também são desenvolvidos programas como o ACMS, que permitiu a automatização do sistema de secretaria de milhares de congregações adventistas na América do Sul, África, algumas regiões da Europa e América Central. Os desenvolvedores e consultores da Iatec ainda idealizam sistemas informatizados usados especialmente pelos tesoureiros das congregações locais.

É importante ressaltar que o software para a área de Recursos Humanos (Adventist Payroll System – APS) já é utilizado em várias partes do mundo e não apenas na América do Sul. Envolve, por exemplo, procedimentos relacionados à folha de pagamento e controle de pessoal. Já o sistema contábil (Adventist Accounting Software International – AASI), também desenvolvido por essa equipe, virou, também, um produto “exportado”. Ultrapassou as fronteiras sul-americanas e hoje está implantado em todo o território norte-americano e parte da Divisão do Pacífico. Esse sistema controla toda a contabilidade dos escritórios adventistas e rede educacional, produz demonstrações financeiras, facilita o controle do imobilizado, orçamentário, entre outros procedimentos da área financeira.

“É importante salientar que hoje o Instituto Adventista de Tecnologia mantém projetos em parceria com a chamada Divisão Norte-Americana da Igreja e com a sede mundial adventista. É uma instituição com mais de 100 profissionais vista como uma referência de qualidade”, comenta Abreu.

Um dos motivos alegados para a criação de uma nova estrutura administrativa foi a necessidade de unificação do corpo técnico e gerencial em um mesmo local. Além disso, pesou a favor da decisão de criar essa Instituição fatores relativos à otimização de recursos financeiros. [Equipe ASN, Felipe Lemos]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox