Notícias Adventistas

Doenças tropicais cobraram a vida de pioneiros no Equador

Thomas Davis é considerado o primeiro mensageiro da fé adventista no Equador

13 de agosto de 2016
Thomas Davis teve uma atuação importante em um período quando muitos pioneiros sequer conheciam o idioma falado em países sul-americanos.

Thomas Davis teve uma atuação importante em um período quando muitos pioneiros sequer conheciam o idioma falado em países sul-americanos.

Brasília, DF… [ASN] Entre os primeiros colportores destacados do século XIX, encontra-se Thomas H. Davis, que começou a obra da colportagem (venda de livros cristãos) na Califórnia (EUA), em 1880. Nesse tempo, ele recebeu um convite para colportar no Chile com um homem chamado Frederick W. Bishop. Os dois solteiros partiram de São Francisco, Califórnia, em 18 de outubro de 1894. Viajaram 50 dias de barco para continuar a obra de Clair A. Nowlen, primeiro colportor que há seis meses trabalhava no país sul-americano.

Leia também:

Ao chegar ao porto de Valparaíso, Chile, os colportores foram recebidos por Nowlen em 10 de dezembro de 1894. Com uma baixa nas vendas, Nowlen deixou o campo para que os dois jovens pudessem colportar, conta o professor Elder Hosokawa, coordenador do curso de História do Centro Universitário Adventista de São Paulo, campus Engenheiro Coelho.

Ambos colportores, falando poucas palavras em espanhol, começaram a manter contato com os habitantes. Um deles foi Prudence Nuñez Balada, esposa do pastor protestante Enrique Balada. O casal se interessou pela mensagem do sábado bíblico e se converteu nas primícias do adventismo no país.

Sonho

Davis e Bishop aprenderam rapidamente o idioma local e começaram a ler a Bíblia em espanhol em voz alta. O fato chamou a atenção de Victor Thomann, um jovem suíço-alemão, de 18 anos, que sonhou com dois homens lendo o Salmo 103 em voz alta. Victor aceitou as verdades bíblicas e compartilhou seu conhecimento com seu irmão, Eduardo, que aceitou a mensagem. Segundo as pesquisas do professor Hosokawa, os irmãos Thomann fizeram parte da primeira Escola Sabatina que começou a funcionar na residência da família Balada em Santiago do Chile. “A conversão desses jovens resultaria em dois futuros líderes promissores que se destacariam na promoção da literatura adventista em espanhol em países como Chile, Bolívia, Peru e Argentina”, diz Hosokawa.

Após seis anos de trabalho colportando no Chile, Davis conheceu Susana, com quem se casou em 1901. Com a saúde debilitada, ele voltou aos Estados Unidos para tratar sua doença. Contudo, em 1904, voltou ao Equador com sua esposa e duas filhas para continuar colportando. O árduo trabalho e as doenças levaram os missionários a pagar um alto preço.

“As chuvas torrenciais e o calor do Equador favoreceram a proliferação da malária e da febre amarela”, relata o historiador Hosokawa. Naquele tempo, esses males não tinham cura. Além disso, Davis Thomas e sua família também sofreram intolerância religiosa quando trabalhavam no interior do país. Na terceira gestação de Susana, quando ela foi diagnosticada com uma doença tropical, os farmacêuticos se negaram a vender-lhe medicamentos.

“Mal sabia eu que, ao me mudar com minha família para o interior, minha amada companheira seria levada pela morte aqui em Ambato. No dia 16 de julho [de 1907], enferma havia cinco dias, ela descansou. […] Nós a sepultamos no cemitério municipal debaixo de uma grande amoreira, para aguardar ali a voz do Doador da Vida”, escreveu Thomas. Ele acrescentou: “Que perda, em especial para as meninas! Somente aqueles que passaram por uma experiência semelhante podem compreender de forma plena o que é perder a companheira querida, alguém que sofreu por causa da verdade. […] Eu estava sozinho”, registra o livro Terra de Esperança, de Floyd Greenleaf.

Com três filhos, uma de cinco, outra de dois anos e um recém-nascido, não restou alternativa a não ser dar o menor ao casal William e Millie Elliot Steele, colegas de trabalho no Chile e no Equador.

Início do adventismo no Equador

Considerado o primeiro arauto da fé adventista no Equador, Davis foi pioneiro incansável da página impressa e da exposição das Escrituras. Em 1907, o pioneiro viu os primeiros resultados missionários com o batismo do primeiro equatoriano, C.E. Yépez, que realizou importantes serviços à causa de Deus. Em 1908, Davis retornou ao Chile como diretor de colportagem. De acordo com Hosokawa, três anos depois, em 1911, aos 45 anos, doente e consumido pelo trabalho árduo, Davis buscou o Sanatório Adventista do Plata, localizado em Entre Ríos, Argentina, para tratar suas doenças físicas. Finalmente, o pioneiro faleceu no domingo, 26 de novembro de 1911. A cerimônia fúnebre foi realizada na tarde do dia seguinte.

Hosokawa comenta que Davis se casou outra vez com Gertrudes Leiva, que, em 1924, se mudou para a Califórnia. Por 20 anos, ela trabalhou como professora no Chile e na Arizona Academy (EUA). Ela foi secretária da Escola Sabatina da Associação Chilena e da Associação do Sul da Califórnia da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Em 1935, ela voltou ao Chile e morreu em 1944 no mesmo sanatório onde seu esposo falecera 33 anos antes. [Equipe ASN, Cárolyn Azo, com informações de Elder Hosokawa. Tradução: Beatriz de A. Ozorio Rago]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox