Notícias Adventistas

Live amplia diálogo sobre discriminações étnicas, raciais e a Bíblia

Objetivo foi mostrar que posturas discriminatórias não fazem parte do ideal de Deus para o ser humano

Por Mauren Fernandes 20 de maio de 2021

O preconceito racial e étnico é pecado, e parte de um complexo de superioridade, negando ao outro a integralidade da sua existência como criação (Foto: Shutterstock)

O tema da discriminação racial ganhou a mídia em 2020, após episódios de violência contra pessoas de pele preta e passeatas ao redor do mundo. Hoje, a internet expõe com mais frequência esse tipo de violência e discriminação.

Com o objetivo de ampliar o diálogo sobre pautas como a discriminação étnica e racial e o que a Bíblia tem a dizer sobre isso, a Igreja Adventista promoveu uma conversa ao vivo, através de seus canais oficias no Facebook e Youtube. Para discutir o assunto estiveram presentes os pastores Robson Aleixo e Marcio Costa, e o jornalista Heron Santana.

Pecado

O pastor e historiador Robson Aleixo afirmou que, à luz da Bíblia, a discriminação racial e étnica é pecado. “O pecado, em essência, é um anti-amor. Ele parte de um complexo de superioridade, negando ao outro a integralidade da sua existência como criação, à imagem de Deus”, detalhou.

Os convidados relembraram situações citadas no Livro Sagrado em que houve tensão étnica. O pastor e professor Marcio Costa relembrou o momento em que Jesus tirou tempo para atender a um centurião romano, considerado um inimigo para o povo da época. “Em Cristo, nós temos o mesmo caráter, o mesmo valor. Quando saímos de Cristo, impera a vaidade, que dá vazão ao pecado, que é o racismo”, pontuou.

Posição dos pioneiros

A posição dos pioneiros adventistas no século 19 também foi pontuada. “Ellen White apelava aos adventistas da época que se manifestassem contra o movimento escravagista”, sublinhou o jornalista Heron Santana. Costa ainda complementou ao dizer que o começo do adventismo surgiu em um meio ativista, mas que não cedia a extremos. “Quando cobrada uma posição naquele período, a Igreja Adventista se declarou anti-escravagista. Porém, não concordava com pegar as armas e ir à guerra a favor disso”, ressaltou.

Assista a live completa:

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox