Notícias Adventistas

Congresso para líderes catarinenses retoma identidade missionária da Escola Sabatina

Palestras se transformaram em dez resoluções práticas para aprimorar trabalho das unidades de ação.

21 de abril de 2015
11154930_1106892032671109_4734816008294991483_o

Palestras buscaram conscientizar e motivar líderes no engajamento missionário com as unidades de ação

Araquari, SC… [ASN] O retrato de uma classe de Escola Sabatina que se reúne apenas uma vez por semana somente para recapitular todo o conteúdo estudado (por meio de um longo discurso do professor) ainda é uma realidade presente em algumas igrejas adventistas pelo Brasil afora. Entre os motivos que levam a simplificação do momento de estudo, estão a falta de preparo, a inversão de prioridades da igreja ao dar mais ênfase aos programas, baixa frequência de matriculados ou ainda, a não aquisição do Guia de Estudos. Para conscientizar líderes e engajar professores nas bases missionárias que formaram o departamento, ocorreu um congresso direcionado aos responsáveis pela Escola Sabatina na região Norte de Santa Catarina, com palestras de pastores que atuam no sede da Igreja Adventista para o Sul do Brasil. O evento ocorreu no Instituto Adventista de Ensino de Santa Catarina (Iaesc).

Retorno às origens

No logotipo do departamento, quatro objetivos estão entre os principais: a confraternização, por ser o único momento de interação direta com membros e visitantes; o testemunho, para aplicar aquilo que foi aprendido durante o estudo no campo missionário em prol da sociedade; o estudo da Bíblia, que visa fortalecer a espiritualidade do aluno e, por último, a missão mundial, que dá noções de que a igreja de Deus trabalha de maneiras diferentes, mas com os mesmos objetivos em todos os lugares. Neste último quesito, também é apresentada, a importância dos dízimos e das ofertas.

Para que tais atividades voltem a ser incorporadas no dia a dia das classes, o líder de Escola Sabatina para as igrejas do Sul do Brasil, Alex Palmeira, chamou a atenção de quem participou para alguns pontos. “Igreja que vive de programas não é saudável. Uma igreja saudável é medida pelo estudo da Bíblia e da Lição. É preciso alcançar os perdidos para que eles se tornem [verdadeiros] ministros, e não apenas consumistas espirituais”, orienta o pastor.

Professor, promotor e pastor

Assim como nos moldes originais estruturados pelos escritos da autora norte-americana Ellen White, o professor de Escola Sabatina não pode ser apenas um “passador de lição”, que resume sua função a repetir o que foi estudado dia após dia. Da mesma forma, também não deve se concentrar só na tarefa de “promotor”, que cobra a frequência dos alunos, mas não busca se consagrar e nem aplicar o tema aos dias de hoje, como abordou o pastor Evandro Fávero, secretário da Igreja Adventista no Sul do Brasil. “[O professor] é o responsável por fazer o aluno aprender e se interessar pelo conteúdo, por isso, precisa planejar com antecedência, selecionar uma quantidade de informações para apresentar e não apenas repetir tudo o que está escrito em cada um dos sete dias. Além disto, não precisa ser na mesma ordem. Faça perguntas objetivas, conceituais, retóricas e seja criativo”, propõe o líder.

Mesmo assim, ainda é preciso ir além. O professor de uma unidade deve agir como uma espécie de pastor de seu grupo de alunos, a ponto de saber quais são seus interesses, coordenar visitas aos faltosos e planejar reuniões em outros horários da semana. “Relacionamentos são as pontes de Deus. É preciso que hajam reuniões além do sábado para tornar a classe em uma comunidade de amor”, recomenda Fávero.

Os líderes também trouxeram a proposta de que a classe de professores também se torne um momento de alinhamento das atividades e revisão do crescimento e envolvimento da igreja no que diz respeito a Escola Sabatina. Outra recomendação foi tornar as unidades de ação ainda mais relevantes a partir de ações sociais (semanais ou quinzenais) independentes do programa oficial de datas especiais da Igreja Adventista.

Cada um salvando um

O presidente da Igreja Adventista no Sul do Brasil, Marlinton Lopes, fez uma reflexão em torno de como a Escola Sabatina, a partir de toda a estrutura missional organizada, será fundamental para o cumprimento da missão de salvar cada pessoa e reavivar a igreja. Os professores e, também, os anciãos – que foram convocados a cuidarem de uma unidade de ação – também podem instituir maneiras de descobrir dons dos matriculados na Escola Sabatina, para que possam desenvolver um dos quatro objetivos do departamento, que é o testemunho, o que reforça a visão missionária Cada um salvando um.

Durante o evento, o pastor Ronaldo Bertazzo também fez reflexões espirituais contextualizadas ao tema, como por exemplo, a de que cristãos verdadeiros e discípulos não possuem diferenças, além de possuírem atributos, sendo, entre eles, a obediência, a alegria, o amor, a produção de bons frutos e outros.

Resoluções

11059246_1106796329347346_2456778551445757605_n

Resoluções formuladas durante evento vão orientar trabalho de diretores, professores e anciãos de Escola Sabatina

No último momento, estes e outros pontos abordados foram transformados em 10 resoluções práticas aprovadas uma à uma pelos participantes. Cada uma delas deverá ser instrumento de aprimoramento das classes de Escola Sabatina a ponto de se tornarem verdadeiras unidades de ação, espiritual e socialmente relevantes. Além delas, resoluções específicas de acordo com a igreja local foram idealizadas por cada líder e lançadas ao céu após serem amarradas em balões, como símbolo de entrega dos planos a Deus.

A ênfase dos projetos também reforça o ideal de discipulado, estratégia antiga e utilizada por Jesus em Seu ministério, iniciada pela comunhão diária com Deus, seguida pela preocupação com as pessoas e, também, pelo compartilhamento e ensinos sobre as boas novas que possuía.

Lançamentos

Além disto, no evento, uma ferramenta digital para avaliar de forma instantânea, a realidade espiritual da igreja local baseada nas questões do cartão de chamada, foi apresentada aos participantes.

Outra novidade é o concurso Bom de Lição, que possui algumas semelhanças com o Bom de Bíblia e que deve servir de estímulo para a leitura e compreensão dos temas abordados no guia de estudos. O projeto foi lançado especificamente aos líderes catarinenses.

O Grupo Perspectivas, de Florianópolis, trouxe uma uma série de encenações que ilustraram transformações que o estudo da Bíblia, da Lição e a descoberta e o uso de dons podem fazer na vida das pessoas. Além disto, o Quarteto Consolação também cantou músicas sobre o contexto missionário, como as canções “Eu te seguirei” e “Vamos proclamar”.  O mesmo evento vai ocorrer no segundo semestre, voltado às regiões Oeste e Meio Oeste do estado. Veja a galeria completa de imagens, clicando AQUI. [Equipe ASN, Willian Vieira]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox