Notícias Adventistas

Atenção direcionada a juvenis e adolescentes impulsiona decisões pelo batismo

Apenas em 2019, Igreja Adventista levou ao batismo 65.252 pessoas com idades entre 10 e 15 anos em oito países sul-americanos

Por Anne Seixas 10 de agosto de 2021
desbravadores

Eventos como Camporis são oportunidade para que jovens passem pela cerimônia do batismo (Foto: Naassom Azevedo)

De acordo com dados incluídos no sistema de gerenciamento de membros da Igreja Adventista, o ACMS, juvenis e adolescentes estão entre os que mais foram batizados na América do Sul entre 2010 e 2019. Em média, são três vezes mais pessoas nessa faixa etária que se decidiram pelo batismo se comparadas a outros grupos etários.

Somente em 2019 foram batizados 65.252 pessoas entre 10 e 15 anos, seguidos por 23.019 jovens entre 16 e 20 anos. Para entender por que os números se apresentam dessa forma, basta olhar, por exemplo, dois ministérios atuantes da Igreja: os clubes de Desbravadores e Aventureiros.

Leia também:

Se uma criança começa a participar do Clube de Aventureiros aos 6 anos e deixa o Clube de Desbravadores aos 15 anos, terá recebido cerca de 10 estudos completos da Bíblia, divididos por faixa etária.

Criatividade e estudo

Em Manaus, para tentar amenizar os efeitos do distanciamento social causado pela pandemia da Covid-19, que interrompeu as atividades presenciais, um clube resolveu fazer os estudos pelo YouTube. Rebeca Netto, que faz parte da diretoria do Clube Amazonas, detalha que foram criadas duas playlists: uma para juvenis de 10 a 12 anos, e outra para os adolescentes de 13 a 15.

“Essa já é uma plataforma que eles gostam de assistir, então mudou aquele negócio de ficar sentado palestrando para eles”, explica Rebeca. Semanalmente, as crianças acessam os vídeos, estudam, e na reunião que acontece no sábado, agora de forma híbrida, discutem o que aprenderam.

No Rio de Janeiro, o momento do estudo bíblico se tornou uma viagem ao espaço. Os aventureiros do Clube Constelações Junior, que têm entre 6 e 9 anos, se tornaram os “aventuronautas”. Essa “viagem” contou com um cenário todo especial e um pastor astronauta, que empolgou as crianças. Ao fim do estudo, oito crianças foram batizadas e cerca de 20 demonstraram interesse em passar por essa cerimônia.

Para Marcelle Almeida, que integra a diretoria do clube, o método fez diferença no envolvimento das crianças. “Nós diminuímos o tempo da reunião comum para dar mais espaço ao estudo bíblico e tivemos um engajamento total, inclusive das famílias”, destaca.

Permanência na Igreja

Esse ministério se propõe a oferecer atividades físicas, sociais, cívicas e, além de tudo, a comunhão com Deus. Segundo Udolcy Zukowski, que lidera o departamento em oito países da América do Sul, de cada mil adolescentes que são membros da Igreja, mas não estão nos clubes, 116 deixam a denominação a cada ano. Por outro lado, entre desbravadores e aventureiros batizados, somente seis fazem o mesmo anualmente.

O trabalho integrado ao Ministério da Criança e do Adolescente, assim como a Educação Adventista nas regiões em que atua, permite que essa relação entre membro e igreja seja fortalecida, juntamente com o apoio da família para o fortalecimento da fé e das doutrinas.

Isso significa que um projeto que envolve todas as áreas da vida daquele juvenil é efetivo quando se fala de permanência na Igreja. “O objetivo é ter um clube em cada igreja”, compartilha Zukowski. No Paraguai, Equador e Brasil, por exemplo, isso já é uma realidade.

“Trabalhamos para que cada líder tenha consciência da importância do Clube de Desbravadores”, afirma o líder sul-americano, que destaca ainda que o clube se apoia em três pilares: físico, mental e espiritual. “Classe bíblica é fundamental. Não é possível conceber um clube sem uma classe bíblica”, exclama.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox