Notícias Adventistas

Estudos Bíblicos

Depois de entrar na “rua errada” jovem conhece igreja adventista e aceita o batismo

Depois de fazer amizade com jovens adventistas, rapaz aceita participar de classe bíblica


  • Compartilhar:
Luis Eduardo Corrêa - 19 anos.

Fazer um novo trajeto pode trazer um sentimento desconfortável, pois o que vem adiante é desconhecido e pode fugir do nosso controle. Normalmente frequentamos os mesmos lugares, nos relacionamos com as mesmas pessoas, passamos pelas mesmas ruas até chegar em casa ou trabalho.  

Com Luís Eduardo, 19, funcionava mais ou menos assim. Ele sempre fazia um caminho até sua casa; mas houve um dia, em que sem muita explicação ele “pegou” uma rua diferente, que nunca tinha passado antes.

No percurso ele se depara com um conhecido que está com outros amigos em frente à uma igreja adventista do sétimo dia. Ele para, cumprimenta o conhecido e começa a conversar. De repente o convite é lançado para ele voltar outro dia e conhecer melhor sobre as programações da igreja. Ele diz sim por educação e deixa seu contato. 

Depois de alguns dias, o seu telefone toca. Era Mateus Xavier o novo amigo que tinha feito naquele dia (na frente da igreja). E como ele havia prometido, foi em um sábado visitar a comunidade religiosa. Para sua surpresa, ele gostou da programação, das músicas e principalmente das pessoas. E começou a ir para os encontros aos sábados. 

Gislaine Corrêa, mãe de Luís, achou aquilo muito diferente, pois nunca tinha visto seu filho envolvido em algo desse gênero. “Ele era meio rebelde e não se interessava por nada até começar a ir à igreja. Fiquei feliz, perguntei se era isso mesmo que ele queria e ele me falou que sim. Senti ele mais calmo, mais caseiro, focou nos estudos”, compartilha Gislaine. 

Estudos Bíblicos 

Os dois amigos começaram a estudar a Bíblia juntos. Segundo Mateus, o que mais chamava sua atenção enquanto estudavam, foram os questionamentos e perguntas que o Luís fazia.  

“Me marcou muito em um estudo sobre mordomia, porque foi o Luís que me ensinou naquele dia, ele disse: ‘Eu entendi sim, é como se estivéssemos pagando um aluguel para Deus, porque assim como em uma casa alugada, você não quer quebrar nada, quer cuidar bem; porque no final você terá que prestar conta. A mesma coisa é com Deus, a terra é Dele, tudo é Dele e nós apenas somos mordomos que cuidam disso tudo'”. 

Matheus comenta que se sentiu muito feliz em poder fazer parte do crescimento e aprendizado que Luís estava adquirindo. Sentiu que estava obedecendo o que Deus disse sobre ir e pregar o evangelho.

Porém, para Luís, em alguns momentos no estudo bíblico, a preocupação em relação ao desemprego o deixava muito triste, “aquilo me machucava muito, fui à casa do Mateus e comecei a chorar e conversar com ele. Comecei a estudar a Bíblia e foi onde eu vi sobre o batismo e percebi que precisava entregar minha vida por completo para Cristo, que a hora certa era naquela hora.”, comemora Luís. 

O grande dia chegou, e Luís havia feito apenas um pedido: ele queria ser batizado no mar da praia do Cassino, que fica a 30 minutos do seu bairro, na cidade de Rio Grande-RS. Os líderes da igreja se ajustaram para atender o pedido do jovem e Luís Eduardo foi batizado no sábado, 15 de janeiro de 2022.  A cerimônia foi memorável e mesmo sendo o único adventista da família, Luís convidou amigos e familiares para presenciarem essa festa. “Todos estavam lá, foi magnífico entrar naquela água, tive uma sensação de conforto e liberdade”, afirma.

Um ano em Missão 

O jovem comenta que no início da sua caminhada cristã, estava na igreja por causa das pessoas, e depois que teve a Missão Calebe ele começou a ressinificar algumas coisas. Percebeu que queria dedicar mais tempo fazendo missões e entrando em contato com pessoas para apresentar o mesmo Cristo que conheceu.   

Foi quando um dia conversando com uma amiga ele ficou sabendo do Projeto OYiMUm ano em Missão, e se apaixonou pela proposta. Logo, fez a sua inscrição e se candidatou para a vaga. 

Nessa semana, Luís partirá para Porto Alegre onde dedicará um ano de sua vida atendendo a comunidade local. Quando ele ficou sabendo que foi aceito, deu pulos de alegria. Segundo o jovem, essa é uma boa oportunidade para servir, mesmo sendo “novo na igreja” já está partindo para dar continuidade a roda do discipulado. 

“Se Ele deu a vida por nós, por que a gente não pode obedecer ao ide e fazer discípulos? Eu não tenho essa escolha de desistir, Deus mandou a gente ir e fazer discípulos, então, eu vou e vou dar o meu melhor”, finaliza.