Notícias Adventistas

Universitários comemoram Dia da África na Assembleia Legislativa de SP

Grupo de estudantes de instituição adventista participou de evento oficial na Assembleia Legislativa de São Paulo

22 de maio de 2013
Intercâmbio étnico-cultural é intensificado em instituição adventista

Intercâmbio étnico-cultural é intensificado em instituição adventista

São Paulo, SP … [ASN] No dia 20 de maio, 35 universitários africanos do Unasp – Campus SP, estiveram entre os convidados da sessão de abertura das Comemorações do Dia da África. O encontro ocorreu na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo no auditório Paulo Kobayashi e abriu a série de eventos que, até o dia 31 de maio, irá celebrar o dia do Continente Africano no Brasil. O grupo musical formado por alguns alunos angolanos cantou na abertura e no encerramento da solenidade. A letra, cantada em um dos idiomas originais da África, falou sobre o retorno de Jesus a Terra.
Entre os alunos presentes na assembleia havia uma representante da Nigéria, os demais vieram da Angola. Antes de a sessão começar os estudantes angolanos tiveram a oportunidade de conversar e trocar experiências com General do Exército Brasileiro, Adhemar Costa Machado Filho, que atuou nas operações de paz durante a guerra civil que ocorreu na Angola.
Histórias – Durante sua palestra o general contou muitas histórias que presenciou, entre elas, a que mais o marcou, sobre o reencontro emocionante de pai e filho que lutavam em grupos opostos. O general demonstrou o carinho que sente pelo país africano e a felicidade por poder compartilhar o que viveu com jovens universitários que eram crianças no período em que ele atuou por lá.
Um dos principais incentivadores das comemorações do Dia da África é o moçambicano Carlos Pinto de Magalhães, tetraneto do poeta Tomás Antônio Gonzaga que foi personagem da Inconfidência Mineira e autor da obra Marília de Dirceu, ele ressaltou o vínculo cultural e humano entre o Brasil e a África e destacou a importância da presença de universitários africanos no país.
“A vinda deles vem precisamente incorporar o que há de bom e de positivo para que se transforme em futuros portadores de uma cultura que está relacionada com o continente africano”, afirmou.
Nádia Pina é natural de Angola e cursa Ciências Contábeis no Unasp SP ela participou da cerimônia e apreciou ver seu continente sendo reconhecido. “Foi uma boa iniciativa porque, afinal, num país grande como o Brasil o pessoal valoriza bastante os africanos. E falar sempre da cultura da África, que indiretamente faz parte do Brasil, também é bom. Nos sentimos privilegiados”, disse.
O Unasp SP inicia neste mês de maio um núcleo de estudos étnico-raciais. O objetivo é que o tema não seja apenas assunto de fóruns e discussões acadêmicas, mas também objeto de pesquisa. “Começa como um núcleo de estudos em extensão que vai expandir e no futuro pode também ser um núcleo de estudos e pesquisas com relação às questões étnico-raciais”, explicou Cristina Tavares, coordenadora da Extensão Universitária. [Equipe ASN, Murilo Pereira]

 

Notícias Relacionadas


Comentários

WordPress Image Lightbox