Notícias Adventistas

Curso de Enfermagem da Fadba forma profissionais para contribuir com a saúde de seus países de origem

“A Enfermagem me escolheu, porque eu não a conhecia. Entendi que posso servir ao meu povo através desta profissão e salvar muitas vidas”, diz Ferdelizia.

Por Luciana Santana Diniz 12 de maio de 2021

Moçambique é um país situado no continente africano que transita pela situação de fome, falta de saneamento e saúde pública. As necessidades básicas do ser humano são extremamente negligenciadas. Ferdelizia, de 24 anos, e Anatércia, de 23 anos, nasceram neste contexto e atualmente cursam Enfermagem na Faculdade Adventista da Bahia, Fadba, com intuito de em breve retornar e ajudar o seu povo.

As irmãs Ferdelizia e Anatércia cursam Enfermagem na FADBA. (Foto: colaboração)

Assim que Ferdelizia teve consciência da desigualdade social que todos enfrentavam em seu país,
atuou como voluntária em uma ONG. “Quando eu trabalhei em uma ONG, percebi a necessidade das pessoas do meu país por saúde. Muitas crianças desnutridas, passando necessidade em todos os aspectos. Estas pessoas enfrentam a fome, muitas doenças e faltam profissionais de saúde para atendê-las.”, coloca.

Ainda em Moçambique, Ferdelizia compreendia que deveria cursar uma graduação que a habilitasse a oferecer melhores condições de saúde ao seu povo. Em 2018, teve conhecimento dos cursos de graduação disponibilizados pela Fadba, através de uma amiga brasileira, que explicou como atuava o profissional da Enfermagem, pois até então, não conhecia a profissão. “Quando eu soube a missão do curso de Enfermagem, em especial do curso da Fadba, já me vi estudando e futuramente levando saúde ao meu país”, explica.

Ferdelizia conheceu o curso de Enfermagem através de uma amiga brasileira. (Foto: arquivo)

De acordo com o coordenador do curso de Enfermagem da Fadba, Raimon Rios, o curso tem a proposta de incentivar seus alunos a se envolverem com ações de auxílio ao próximo. “Os alunos de enfermagem da Fadba são formados para serem missionários e fazerem a diferença na vida dos seus pacientes e familiares. Durante toda a graduação, as diversas atividades e experiências vividas têm o objetivo de formar cidadãos e profissionais comprometidos com o amor a Deus e ao próximo. Isso é enfatizado de muitas formas ao longo da graduação. Esse é, inclusive, um grande diferencial do nosso curso e da Fadba”, declara.

Anatércia pretende retornar à Moçambique assim que se formar. (Foto: colaboração)

Anatércia Emídio, irmã de Ferdelizia, de 23 anos, seguiu a mesma trajetória. Hoje ela já está no quinto período e pretende retornar à Moçambique assim que concluir a faculdade de Enfermagem na Fadba. “Muita coisa que aprendo, entra em contraste com minha realidade. Coisas simples fariam diferença em todo Sistema de Saúde e na vida dos cidadãos. Ajudando ao meu povo quando me formar, a partida do meu país fará sentido. Preciso ajudar meu continente e minha família”, enfatiza.

Desafios

O primeiro desafio de Ferdelizia para cursar Enfermagem na Fadba foi deixar a mãe doente em Moçambique. A sua vontade, como filha, era cuidar e acompanhá-la neste processo. Mas, o amor materno a incentivou a encarar o desafio de morar em outro país, estudar e trazer melhores condições de saúde para o seu povo. “Minha mãe foi a maior incentivadora para eu lutar por uma formação e levar melhores condições de saúde à Moçambique. Isso acabou sendo mais uma confirmação de Deus para escolher a Enfermagem. Infelizmente minha mãe faleceu, mas estou cumprindo o que ela me orientou e desejou para mim. Logo, ajudarei muitas pessoas. Costumo dizer que a Enfermagem me escolheu, porque eu não a conhecia, mas atendi ao chamado de Deus em servir através desta profissão linda e salvar muitas vidas carentes”, diz

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox