Notícias Adventistas

Fogos anunciam a hora de orar

Três vezes ao dia – às 9h, às 15h e às 21h – ouvem-se fogos de artifício e cerca de 1200 pessoas param suas atividades para orar.

12 de março de 2015
Ao ouvir os fogos os alunos param suas atividades para orar.

Ao ouvir os fogos os alunos param suas atividades para orar.

Itaborai, RJ… [ASN] Há algumas semanas a rotina mudou em um quarteirão inteiro no centro da cidade de Itaboraí, região leste fluminense do Rio de Janeiro. Três vezes ao dia – às 9h, às 15h e às 21h – ouvem-se fogos de artifício convidando as pessoas a pararem suas atividades para orar. O projeto conhecido como Parada 939 é uma iniciativa do capelão do Colégio Adventista de Itaboraí (CAIT), pastor Magno Marinho. A escola funciona em três turnos, portanto todos os alunos e servidores participam orando pelo menos em um desses horários.

Mas a campanha não se restringe ao ambiente escolar. A proposta também foi levada para os funcionários do Hospital Adventista Silvestre e da sede administrativa da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) na região fluminense – Associação Rio Fluminense (ARF), que funcionam ao lado da escola, e juntos formam um “complexo adventista” a serviço da comunidade. São aproximadamente 650 pessoas orando pela manhã, 350 à tarde e 300 à noite. “Alguns especialistas na área de saúde mental dizem que uma mente pode influenciar um raio de 9 metros e queremos, com o poder da oração, influenciar nossos vizinhos, alunos, pacientes e clientes”, explica o pastor Magno. “Cremos que através da repetição as pessoas poderão adquirir o hábito de orar no mínimo três vezes ao dia, assim como fez Daniel”, complementa.

O complexo formado pelo hospital, colégio e escritório adventistas exerce uma grande influência na comunidade.

O complexo formado pelo hospital, colégio e escritório adventistas exerce uma grande influência na comunidade.

Prevista para durar até a Semana Santa, a mobilização tem chamado a atenção da vizinhança. Alguns curiosos perguntam na portaria o porquê dos fogos e ao tomarem conhecimento também se unem em oração. Os professores também tem percebido mudanças no comportamento dos alunos. Para a professora de inglês, Karina Reis, “a oração, que antes era considerada ritual para início e encerramento das aulas, se tornou um meio de comunicação habitual e necessário. Nos horários marcados um grande silêncio se estabelece e paramos para falar com o único que tem total interesse em nos ouvir: Deus.”

Os fogos são aguardados com ansiedade. Pelos corredores o pastor Magno é abordado quando faltam poucos minutos para o horário. A professora de religião e filosofia, Rose Pintor conta que um dia os fogos atrasaram alguns minutos e sua classe ficou preocupada. Mesmo assim “paramos para orar e no meio da oração vieram os fogos. A alegria foi geral! Pelas redes sociais eles fazem pedidos de oração e lembram os horários”, conta.

Alessandra Souza, professora de artes, testemunha que “o 939 tem sido maravilhoso em minha vida, pois tem me aproximado mais de Deus. A oração tornou-se um hábito natural em minha vida.”

A capelania do colégio promete lançar ainda muitos outros projetos ao longo do ano letivo. “Temos muitos desafios para despertar nos jovens o desejo de conhecer Deus mais de perto e o 939 é somente uma das estratégias para isso”, finaliza o pastor Magno. [Equipe ASN, Tatiana Buitrago]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox