Notícias Adventistas

Bíblia é aprovada por lei para redução de pena

14 de junho de 2016

bíbliaManaus, AM…[ASN]Nos últimos 50 anos, a Bíblia é o livro mais vendido com cerca de 4 milhões de cópias, segundo ranking divulgado pelo site Visual News. São inúmeros modelos, formas, e gostos. Tem Bíblia para mulher, para homem, para criança. Bíblia em diferentes idiomas e estilos literários. Em abril deste ano, o governo do estado do Amazonas em parceria com a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) a reconheceu como um livro que desenvolve o conhecimento, a educação, a cultura e o desenvolvimento crítico, além de conceder ao leitor a capacidade de mudar sua realidade e transformar sua vida. Por esse motivo, ela foi inclusa no projeto de remição de pena por estudo ou por trabalho que dá ao condenado a redução de um dia de pena a cada 12 horas de atividade apresentada e avaliada. Esse projeto existe no Brasil desde junho de 2011 e foi desenvolvido pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) e a Escola de Administração Penitenciária (ESAP). O Amazonas é o primeiro estado brasileiro que conquistou essa inclusão dentro da lei federal.

Leia também: Jovens adventistas são homenageados por deputados estaduais em Manaus

Para o pastor e gerente da SBB em Manaus, Adriano Casanova, existe um desejo dessa lei entrar em vigor em todo o Brasil. “A Sociedade Bíblica do Brasil tem uma missão que é promover a difusão da Bíblia e sua mensagem como um instrumento de transformação e desenvolvimento integral do ser humano. Manaus, Amazonas, foi o ponta pé inicial. O desafio maior é que esse projeto chegue no Brasil inteiro”, declara.

Nos presídios, o estudo bíblico já era feito antes mesmo dessa lei entrar em vigência e os resultados dessa iniciativa têm sido positivos. Ilson Ruiz é diretor da unidade prisional Puraquequara em Manaus e incentiva instrutores bíblicos dentro do presídio. Ele enfatiza a importância de perceber se a mudança nos detentos é algo verdadeiro ou ação simulada. “Dentro do cárcere, há várias regras e a imposição do poder disciplinar dentro de uma unidade prisional é feita através do diálogo. Em algumas ocasiões, você consegue conhecer se uma pessoa está praticando ou não esse preceito de forma verdadeira quando você diz um ‘não’. A forma como ela vai reagir é o que vai dizer se ela está sendo franca ou não naquela pasta religiosa”, pontua.

José Aparecido é um dos instrutores bíblicos de Puraquequara. Há 20 anos, ele faz esse trabalho com os reclusos de diversos presídios amazonenses. Ele acredita que 2 ou 3 meses de contato com as Escrituras Sagradas são suficientes para uma mudança de comportamento. Durante anos de trabalho com detentos, ele pôde participar de muitos batismos. Um deles, foi o de Sócrates, atualmente em regime aberto. Ele é um dos vários exemplos de pessoas que tiveram a vida transformada através do estudo da Bíblia. [Equipe ASN, Giovanna Bonilha]

Veja abaixo a reportagem completa:

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox