Notícias Adventistas

Igreja quer estudar a Bíblia com pelo menos 87 mil pessoas na Bahia e em Sergipe

Por Heron Santana 30 de maio de 2019

Em sentido horário, o evangelista João Batista sendo entrevistado pelo pastor Manoel Chaves: ele foi batizado em 1977 e já levou 350 pessoas ao batismo; as irmãs Shirley e Shenia, que foram batizadas durante o encerramento da comissão diretiva plenária, estudaram a Bíblia com Iran (ao centro), que demonstrou entusiasmo para ensinar a Palavra de Deus para as pessoas.

Em 1977, o evangelista voluntário João Batista recebeu estudos bíblicos e tornou-se membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia, quando foi batizado no templo do bairro do Gusmão, em Eunápolis, no sul da Bahia, a 671 km de Salvador. Naquela ocasião, decidiu que iria levar o ensino da Bíblia para as pessoas, oferecendo um conhecimento capaz de proporcionar liberdade e salvação em Jesus Cristo.

Em 16 de junho de 2018, o adolescente Iran Freitas de Jesus, com apenas 13 anos, foi batizado em Quijingue, uma cidade na região do sisal no nordeste baiano, a 322 km da capital.

Há um elo comum entre os dois relatos acima: separados por uma distância de quase 800 km, com um recorte no tempo de 41 anos, as histórias de João e Iran se caracterizam por correntes de estudo e ensino da Bíblia que transformaram centenas, talvez milhares de pessoas para um novo estilo de vida cristã.

João evangelizou Flávio e Osmar Borges, irmãos que se tornaram depois pastores adventistas. Osmar Borges, atualmente, é líder de Evangelismo da Igreja Adventista para Bahia e Sergipe e tem a chance de ensinar a Bíblia para multidões; Já Iran recebeu estudos bíblicos de um amigo, chamado Leonel, que por sua vez foi alcançado por um colportor chamado Ismael, que deu estudos.

E a ramificação não encerrou na história do adolescente de Quijingue. Ele mesmo deu estudos bíblicos para as irmãs Shirley e  Shenia, que se batizaram na quarta-feira, dia 29 de maio, no encerramento da Comissão Diretiva Plenária da União Leste Brasileira, sede da Igreja Adventista para Bahia e Sergipe.

A ilustração das correntes representando o elo do discipulado que se inicia com o estudo e o ensino da Bíblia; igreja reafirmou importância de estudar, viver e ensinar a Palavra de Deus.

A Comissão Diretiva Plenária reuniu administradores, líderes e representação de membros leigos baianos e sergipanos para avaliar os resultados do primeiro semestre e planejar os próximos passos da experiência de vida cristã e da evangelização em uma geografia onde vivem cerca de 210 mil adventistas, para uma população superior a 17 milhões de pessoas, segundo o IBGE. Nesse encontro, foram aprovados os votos para áreas diversas da Igreja, da Educação Adventista, da ADRA e de outros segmentos do trabalho missionário. O evento ocorreu entre os dias 28 e 29 de maio, em Salvador.

O batismo de Shirley e Shenia reafirmou o estudo e o ensino da Bíblia como as ênfases da vida eclesiástica e missionária. Entre o estudo e o ensino, foi destacada a vida em comunidade baseada na Palavra de Deus. É a tríplice motivação do projeto Todos Pela Palavra, carro-chefe da estratégia da Igreja em território baiano e sergipano, na sequência da expansão dos novos templos que ocorreu nos últimos seis anos com o projeto Santuários de Esperança.

Logo no primeiro dia, o pastor André Dantas, secretário da União Leste Brasileira, pontuou o desafio ao apresentar em seu relatório a situação de ocupação dos novos templos. Segundo os estudos da Secretaria da Igreja, as novas igrejas do Projeto Santuários de Esperança, já organizadas, oferecem capacidade de ser frequentadas por 69.331 pessoas, mas 45.411 desses espaços ainda não foram preenchidos. A taxa de espaço ocioso é de 66%. “Os santuários de esperança permitiram que surgisse novas igrejas em lugares onde havia pouca presença adventista. Foi uma benção. O compromisso agora é encher essas igrejas com pessoas carentes da Palavra de Deus”, afirmou.

É com base nesse desafio que o projeto Todos Pela Palavra enfatiza três propostas claras e objetivas, baseadas na valorização da experiência pessoal, coletiva e missionária com a Bíblia Sagrada, pautada no exercício do discipulado:

 

  • Todos Estudando a Palavra – A proposta quer levar os membros da Igreja a uma compreensão da experiência pessoal com a Palavra de Deus, oferecendo estratégias e apoio para animar os crentes para a devoção pessoal, o culto familiar, o estudo diário da Bíblia com apoio da lição da Escola Sabatina e uma vida de oração e intercessão.

 

  • Todos Vivendo a Palavra – A ideia consiste em valorizar a vida em comunidade, por meio dos pequenos grupos, integrados com as unidades de ação da Escola Sabatina, permitindo troca de conhecimentos e experiências sobre o estudo da Escrituras, apoio mútuo para o crescimento individual e coletivo na jornada da vida cristã.

 

  • Todos Ensinando a Palavra – O propósito aqui é motivar todos os adventistas que aceitaram fortalecer a experiência individual com a Bíblia e participaram da vida em comunidade cristã por meio dos pequenos grupos e unidades de ação ao envolvimento missionário, ensinando a Bíblia para outras pessoas por meio de estudos, envolvendo-se em duplas missionárias, classes bíblicas e outras formas de evangelismo, incluindo a interação por meio de redes sociais digitais.

 

O desafio da Igreja na Bahia e em Sergipe: 43 mil adventistas ensinando a Palavra para 87 mil pessoas e conduzindo 21 mil ao batismo.

 

Desafio

 

Com a definição do projeto Todos Pela Palavra, os líderes da Igreja na Bahia e em Sergipe assumiram o compromisso de mobilizar, em 2019, 43 mil pesssoas para ensinar a Bíblia, alcançando 87 mil interessados nos estudos bíblicos. Com esta proposta, o desafio é levar 21 mil pessoas ao batismo como decisão pessoal por um novo estilo de vida cristã. A meta responde aos anseios da liderança sulamericana da Igreja Adventista, que pretende envolver 1 milhão de pessoas no estudo da Bíblia para batizar 250 mil ao longo do ano.

A lição da Escola Sabatina saiu fortalecida durante a comissão como guia do estudo da Bíblia na jornada espiritual do membro da Igreja.

“Com os irmãos e irmãs mais envolvidos na experiência pessoal com a Bíblia, e compartilhando esta experiência em comunidade de adoradores, para em seguida sair e ensinar a Palavra para outras pessoas, não tenho dúvidas que veremos o crescimento de uma Igreja cada vez mais feliz”, disse o pastor Stanley Arco, presidente da Igreja Adventista para Bahia e Sergipe.

A declaração do líder foi exemplificada pela paixão do missionário de Eunápolis, João Batista, ao falar do prazer que sente em ensinar a Bíblia para as pessoas. “Foi desse jeito que já levei mais de 350 pessoas ao batismo”, contou, acrescentando que também participou do plantio de seis igrejas no interior do Estado.

Iran de Freitas também falou com entusiasmo do prazer de estudar a Bíblia com as pessoas. “Quando estava estudando a Bíblia com Shirley e Shenia, que foram batizadas hoje, eu percebi o interesse delas, fazendo perguntas, e isso me animava ainda mais para ensinar a Bíblia para elas”, disse, lembrando que teve de arrumar um jeito de manter o estudo com as irmãs, uma vez que precisava sair de sua cidade, Quijingue, para Euclides da Cunha, distante 50 km, onde moravam as estudantes da Palavra.

Para o pastor Manoel Chaves, líder de Ministério Pessoal (área que cuida do treinamento da Igreja para vida cristã em comunidade e para a missão), o foco do projeto Todos Pela Palavra apresenta de forma simples os desafios de cada membro da Igreja, baseados no estudo da Bíblia, compartilhado em pequenos grupos e unidades de ação da Escola Sabatina, e levado adiante para pessoas a serem discipuladas para uma nova vida em Jesus Cristo. “Creio que poderemos mobilizar muitas pessoas para viver uma jornada semelhante a de João Batista e Iran de Jesus, que entenderam o propósito espiritual de suas vidas a partir da experiência pessoal com a Palavra de Deus”, comentou.

 

Veja mais fotos na galeria abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox