Notícias Adventistas

Colecionador de lições da Escola Sabatina reconhece força do material

Produto mundial da Escola Sabatina foi idealizado em 1852 por Tiago White, mas tem grande influência até hoje na vida de gente como pastor Evaldino Ramos.

Por Felipe Lemos 19 de outubro de 2018

Exemplar de 1923, quando a lição da Escola Sabatina se chamava trimensário. Foto: Arquivo Pessoal

Se há um material produzido pela Igreja Adventista do Sétimo Dia que tem alcance e relevância mundiais é a lição da Escola Sabatina. Em 2018, quando esse departamento completa 165 anos de existência, a influência do material chama a atenção. Que o diga o pastor Evaldino Ramos, 45 anos de idade, e 22 anos de ministério adventista. Colecionador de exemplares da lição, desde 1997, Ramos assegura que a leitura do guia temático foi essencial, pois ajudou a fundamentar sua fé e confiança na Bíblia. “Fui discipulado e não há como passar um dia sem minha devoção pessoal. A lição é alimento sólido neste desjejum espiritual, por isso faço o discipulado com meus filhos sob as mesmas bases”, ressaltou.

Leia também:

Aplicativo auxiliará no registro de dados da Escola Sabatina

A história de Evaldino Ramos com a lição da Escola Sabatina remonta o tempo de infância. Ele é filho de pioneiros adventistas que moravam no sul da Bahia. Isso significa que, desde cedo, portanto, já mantinha contato com material de orientação bíblica. E cultivava hábitos como a realização do culto familiar diário. Era uma prática contínua ler a lição da Escola Sabatina, inclusive no sábado à tarde. “Quando morávamos todos em casa, sendo o mais novo e ainda criança, a minha lição era a de Primários. No sábado à tarde, meu pai reunia a família a fim de dar uma revisada na lição da semana, estudava as perguntas, lia os textos bíblicos. Isso me marcou e, apesar de minha classe ser outra, eu amava ler os textos bíblicos e usava uma lição de adultos velha para anotar as respostas em algum espaço”, relembra.

Dos tempos do trimensário

O interessante é que Evaldino Ramos, por causa do enorme amor pelas lições, resolveu guardar exemplares sistematicamente. Ele formou um comentário bíblico maior, por causa do uso desse conteúdo. A partir de 1997, a coleção ganhou um volume expressivo. Como atualmente mora em Montevidéu, no Uruguai, resolveu deixar o material no Brasil. E relíquias também fazem parte dessa valiosa coleção. O pastor Ramos mantém uma lição do primeiro trimestre de 1923, sobre a epístola de Tiago.

O material obviamente não era do seu tempo, mas pertencia ao avô chamado José Ramos. Na época, a lição da Escola Sabatina tinha o nome funcional de trimensário (publicado a cada três meses). Os conceitos bíblicos elucidados nas diversas lições não apenas me alimentam espiritualmente, mas me ajudam no crescimento das verdades bíblicas”, afirma.

História da Escola Sabatina

As lições da Escola Sabatina foram inventadas pelos pioneiros da organização a fim de fomentar o estudo bíblico. Segundo a Enciclopédia Ellen White, Tiago White foi o responsável por desenvolver e publicar as primeiras lições de Escola Sabatina. A primeira saiu em 1852, na edição inaugural da publicação Youth’s Instructor (Instrutor da Juventude). White também é considerado o líder que organizou a primeira Escola Sabatina em Rochester, Nova York, em 1852.

De acordo com a Enciclopédia, na página 869, “no início, a Escola Sabatina tinha como público exclusivo os jovens, e muitos dos escritos de Ellen White sugerem isso”.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox