Notícias Adventistas

Paulo Coelho

Paulo Coelho

Finanças em dia

Dicas, orientações e conselhos sobre como manter as contas pessoais em dia levando em conta a Bíblia.

Mercado de capitais e alta: o que fazer?

Na hora de fazer investimentos, é importante pensar bem e ouvir conselhos técnicos a respeito de mercado de capitais (Foto: Shutterstock)

O noticiário anuncia altas consecutivas no índice do Ibovespa. Com isso, o investidor conservador começa a ponderar se deve ou não continuar investindo na renda fixa ou se deve migrar parte dos recursos para a renda variável.

Digitei em um site de pesquisa “comparativo de rentabilidade em 2019”. Como resultado da busca, encontrei vários gráficos e de forma aleatória escolhi o apresentado acima. Gráficos como este servem para ajudar a definir ou orientar a migração de investimento da carteira de renda fixa para renda variável. Desta ponderação, surge a pergunta: Como faço a migração? Que cuidado devo tomar? Que informações buscar?

Neste artigo, vamos abordar as noções básicas de como investir no mercado de renda variável.

Leia também:

Para fazer a migração, o primeiro passo a dar é escolher uma corretora de sua confiança. Pode ser a corretora do banco de seu relacionamento ou outra corretora que tenha chamado sua atenção. Um fator importante para a escolha da corretora são os custos operacionais, tais como: emolumentos, corretagem e custódia. Algumas corretoras anunciam custo zero, no entanto, mesmo nesta condição existem custos de ISS e IR (Imposto de Renda) que precisarão ser pagos.

Aqui está um detalhe interessante sobre o qual é importante estar atento. Diferentemente da renda fixa, onde o banco recolhe o IR diretamente da sua conta, ou seja, não precisamos nos preocupar com este tributo, na renda variável isto não ocorre. Cada investidor deverá gerar e recolher a DARF do lucro obtido na proporção de 15% se for na modalidade Swing Trade, ou 20% se for Day Trade. Este recolhimento deverá ser no mês subsequente ao de apuração do lucro. (ler legislação específica de IRRF – Imposto de Renda de Pessoa Física sobre investimentos em renda variável).

O segundo passo é estar familiarizado com as nomenclaturas do mercado. Stop Loss, Stop Gain, Day Trade, Swing Trade, Trader, viés de alta, viés de baixa, operar no mercado a descoberto, derivativo, etc. São palavras muitos usadas dentro deste segmento. Após esta compreensão, devemos escolher se vamos operar no mercado de Day Trade ou Swing Trade.

A primeira opção consiste na compra e venda das ações no mesmo dia, ganhando ou perdendo com a volatilidade do mercado. A segunda é o investimento mais longo. Pode ser por um dia ou por décadas, ganhando ou perdendo de acordo com o crescimento ou não de determinada empresa.

Ambas as formas de investir exigem busca constante de informações, pois o mercado oferece diversas opções de empresas e estas estabelecidas em segmentos variados da sociedade. Uma tendência política ou mercadológica pode trazer crescimento ou arrefecimento do mercado de capitais, provocando ganhos ou perdas com muita rapidez.

Estudar sobre o mercado e saber o que faz as curvas de rentabilidade subirem ou descerem, está é a ferramenta mais importante para investir neste segmento.

Bons estudos, e mantenha as finanças em dia.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox