Notícias Adventistas

Karyne Correia

Karyne Correia

Mente Saudável

Os cuidados para se ter uma vida mentalmente saudável.

Como ter um casamento feliz

O diálogo constante também é fundamental para compreender o outro (Foto: Shutterstock)

Casar é um dos maiores passos que um ser humano pode dar em sua vida. E, infelizmente, muitas pessoas vivem a realidade de um casamento frustrante. Mesmo entre cristãos, os problemas de brigas conjugais, violência doméstica e divórcio têm se tornado cada dia mais comuns.

Trabalho realizando palestras para casais, terapia de casal, além dos atendimentos individuais a cônjuges que estão sofrendo emocionalmente. No ano passado, no artigo “Até que o casamento os separe“, compartilhei alguns dos maiores segredos dos casais felizes. Hoje quero compartilhar com você mais uma dica para lhe ajudar a ter um casamento feliz.

Conheça melhor a si mesmo e ao seu cônjuge

Se eu perguntasse a você qual é a pessoa nesse planeta que mais conhece o seu marido, ou a sua esposa, você me responderia o quê? Você?

Os cônjuges costumam ser as pessoas que mais se conhecem, mas isso não significa que eles se conhecem o suficiente. Na maior parte do tempo, conhecemos o outro a partir de nós mesmos. Fazemos uma leitura sobre os hábitos e costumes do outro, sua personalidade e seu caráter, a partir de nossa visão de mundo, de nossas crenças pessoais. No vídeo a seguir dou um exemplo prático disso:

Entender o outro a partir de nós mesmos é absolutamente normal, mas para superar crises conjugais é preciso mais do que isso. Na verdade, isso, muitas vezes, está na raiz dos conflitos conjugais. É preciso conhecer o outro a partir do olhar dele, da cultura dele, das crenças dele. E isso é desafiador.

No processo terapêutico, auxiliamos os casais a fazerem isso. O que significa para você, por exemplo, o comportamento do seu marido de deixar o sapato no meio da casa, ao invés de colocar na sapateira? Ou o que significa para você o comportamento da sua esposa lhe dizer onde você deveria ter pendurado seu casaco, ou colocado seu sapato?

Há nove anos, quando Marquinhos e eu nos casamos, nossas diferenças eram gritantes. Havíamos crescido em regiões diferentes do Brasil, culturas diferentes, criações diferentes e, por mais que tivéssemos muitas coisas em comum, as diferenças se tornaram muito evidentes desde que a festa do casamento acabou.

Ele, por exemplo, costumava chegar em casa, tirar os sapatos e deixá-los em qualquer lugar. E eu, todas as vezes, ao ver o sapato no meio do caminho, pedia que ele guardasse no lugar. E apesar de ser uma coisa pequena, ambos ficávamos aborrecidos nessas circunstâncias. Por quê? Porque alguns de nossos valores estavam sendo violados.

Regras, crenças e valores

Todos temos regras, crenças e valores. E quando nossas regras ou crenças são feridas, isso nos gera algum incômodo. Mas quando um valor é violado, isso mexe muito conosco.

Marquinhos tem um valor que se chama “liberdade”. E eu tenho um valor que se chama “organização”. Quando ele deixava o sapato no meio da casa, ele feria o meu valor “organização”, e quando eu chamava a atenção dele, eu feria o seu valor “liberdade”. E ambos se aborreciam porque os valores fazem parte do conjunto das coisas mais importantes para nós.

Compreender isso foi essencial para solucionarmos o mal-estar que sentíamos naquelas ocasiões e convivermos bem com nossas diferenças. E esse é apenas um exemplo de algo pequeno, mas corriqueiro, que pode afetar profundamente um relacionamento conjugal.

Algumas mulheres se aborrecem ou se magoam com seus maridos porque interpretam suas ações como sendo desrespeito, falta de colaboração, falta de amor. E muitos maridos fazem o mesmo, quando na verdade, o que precisavam era se permitir compreender o que aquele comportamento significa para a outra pessoa.

O que o sapato fora do lugar significa para quem o coloca ali? O que o pedido de guardar o sapato no lugar significa para quem o faz?  Quando conhecemos as regras, as crenças e, principalmente, os valores do nosso cônjuge, muita coisa se torna mais leve na relação. Muitas vezes, o significado de suas ações mudam completamente e, ao invés de gerarem descontentamento ou conflito, se tornam algo com o qual podemos lidar de forma tranquila.

Após nove anos casada, ainda guardo, quase que diariamente, os sapatos nas sapateiras. Eventualmente, ele mesmo se lembra e o faz. Mas isso não produz nenhum sentimento negativo em mim. Conhecer seus valores e os valores do outro tem mudado o relacionamento conjugal de outras pessoas a quem atendemos. Isso pode fazer você ter um casamento feliz também.

WordPress Image Lightbox