Notícias Adventistas

Parceria adventista com fundação muda vida de ex-detentos

 

Parceria adventista com fundação muda vida de ex-detentos e moradores de rua Recife, Pernambuco … [ASN] “Eu passei 19 anos na cadeia. Hoje, eu ganho 2,5mil por mês”. O depoimento é do seu Messias, vendedor de acarajé da estação de metrô Cajueiro Seco, no Grande Recife. Todos os dias, das 18 às 22 horas, o carrinho está parado no mesmo lugar, onde o cheirinho do prato típico baiano, na hora em que parte da população está voltando pra casa, acaba atraindo muitos clientes. “A receita é da minha avó, e sempre fez sucesso”, explica.

Messias José do Espírito Santo, 43, é ex-detento, homicida, e quando saiu do presídio, a única coisa que sabia fazer era acarajé. E era assim que ele queria retomar a vida: fazendo a comida baiana para vender. Para ajudar pessoas que querem mudar o modo de viver, a Fundação Advent-Stiftung, em parceria com a Igreja Adventista, tem sustentado projetos de assistência social no Brasil e em outros países, como Guatemala, Costa Rica e El Salvador. Pernambuco é o estado pioneiro em ações de capacitação profissional em parceria com a fundação dentro de presídios. Só no Grande Recife, apenas em 2012, mais de 50 equipamentos foram doados, entre eles, máquinas de costura overlock, barcos, carrinhos para venda de alimentos, instrumentos para salão de beleza e padarias.

Casa, comida e uma moto na garagem – Messias saiu do presídio há cinco meses. No período, conheceu voluntários da Igreja Adventista do Grande Recife que atuam em unidades prisionais. “Ele chegou pra mim e disse que queria ajuda, mas que só sabia fazer Acarajé”, lembra Henrique Alves, coordenador de projetos sociais da Igreja na região. Acreditando na capacidade do ex-detento, a fundação doou um carrinho adaptado para fritar acarajé. Messias escolheu um bom ponto, o local certo, e colocou a receita da avó para funcionar. Na primeira semana, fez seis quilos de massa, na segunda aumentou um pouco mais, e hoje, os 15kg de massa mal dão pra chegar até o fim da noite. “E olha que vendo cada acarajé a 50 centavos, é baratinho!”

O acarajé do Messias tem mesmo um preço bem baixo, mas, ele confessa o segredo do negócio: “ganho na quantidade!”. A prova é tanta, que, em apenas quatro meses na rua, vendendo a comida baiana todas as noites, o ex-detento saiu do lucro inicial de 600 reais para 2,5mil reais. “Com esse dinheiro, mobiliei minha casa, e agora minha mulher e meu bebê tem mais conforto. Nesse mês acabei de comprar uma moto, nem acredito”, conta feliz, enquanto posa pra foto com a chave na mão.

Uma fuga no presídio – Mas Messias não está sendo o único que está vivendo melhor. Quem diria que dentro de um presídio de regime fechado de Pernambuco seria possível implantar um curso profissionalizante? Pela primeira vez, não apenas um, mas dois presídios do estado estão recebendo projetos com doações da fundação Advent-Stiftung e apoio da Igreja Adventista local. Um deles fica no presídio feminino de Igaraçu. Na sala de aula, mulheres que cometeram crimes, mas que querem uma nova chance de viver bem longe da criminalidade, receberam um presente: uma sala totalmente equipada para aulas de depilação profissional, com macas, biombos, esterilizadores, ceras, aquecedores e até aventais. Tudo doado, para que, durante dois meses, com quatro horas de aula todas as terças-feiras, elas aprendam uma profissão rentável e flexível.

No dia em que a sala foi inaugurada e apresentada as detentas, o diretor da fundação para a América do Sul, Giuseppe Carbone, esteve na unidade prisional, e fez uma promessa: “Se cada uma de vocês se empenharem, forem boas alunas e realmente se interessarem pela profissão, vão ganhar um kit completo de itens para montarem o próprio negócio quando tiverem liberdade”. Um incentivo que encheu de lágrimas os olhos de uma das alunas da turma, Margareth Marques. “Somos gratas a Deus por ter gente como vocês, que acreditam que existem mulheres que querem mudar, mesmo estando presas. Cometemos erros, estamos pagando, e queremos mudar”, declarou em público, em nome da turma.

Vestindo oportunidades – Bem no centro do Recife, na frente do presídio mais antigo da cidade, que hoje funciona como centro de artesanato, uma sala que conta histórias costuradas. Maridos que cometeram crimes, esposas de detentos que seguram uma vida difícil, gente que mora na rua, sem ter o que comer, ou onde dormir. Todas essas pessoas vão para essa sala a procura de uma única coisa: mudar de vida.

Desde quando Juliana Maria, 28, está nas ruas, sem ter onde viver, nem ela lembra. Mas, há poucos meses, encontrou um abrigo que a acolheu e a direcionou a essa sala no centro do Recife. Nesse lugar, há dois meses, Juliana aprende a costurar. “Não levo muito jeito! A linha solta muito, mas, estou aprendendo, vou chegar lá!”, conta feliz. Atualmente, 18 pessoas assistem aulas na turma, todas as segundas, quartas e sextas-feiras, das nove da manhã ao meio-dia.

Quem não perde de jeito nenhum é aluna Daniela Mendes. Esposa de ex-detento, começou as aulas junto com o marido. Hoje, aprendendo uma profissão, ela se orgulha da nova vida que ganhou. “Meu marido me trouxe pra cá, e daqui mesmo ele arrumou um emprego. Hoje ele trabalha, e eu estou aprendendo a ser costureira, e quero fazer isso profissionalmente”, conta. [Equipe ASN, Rebbeca Ricarte]

 

 

Notícias Relacionadas


Comentários

WordPress Image Lightbox