Notícias Adventistas

Teólogo comenta sobre o suicídio segundo a Bíblia

Causa mais comum do suicídio é um transtorno mental e/ou psicológico que pode incluir vários fatores.

O Brasil é o quarto país latino-americano com o maior crescimento no número de suicídios no mundo entre 2000 e 2012

O Brasil é o quarto país latino-americano com o maior crescimento no número de suicídios no mundo entre 2000 e 2012

Brasília, DF … [ASN] Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que 800 mil pessoas tiram a própria vida todos os ano no mundo. Isso significa que, a cada 40 segundos, alguém comete um suicídio. E de acordo com os dados a maioria dos suicidas tem mais de 50 anos e as principais vítimas são homens. Ainda mais preocupante é constatar que, de acordo com o relatório, o suicídio é a segunda causa de morte entre jovens entre 15 e 29 anos de idade.

O teólogo Arilton de Oliveira, apresentador do programa Bíblia Fácil, da TV Novo Tempo, explica que a prática de suicídio sempre existiu e, no próprio registro bíblico, há vários casos como os de Abimeleque (Juízes 9:54), Saul e seu escudeiro (I Samuel 31:4 e 15), Aitofel que era conselheiro do rei Absalão (II Samuel 17:23), Sansão (Juízes 16:29,30) e Judas (Mateus 27:5). “De acordo com estudiosos como Dr. Angel Rodrigues, há dois aspectos importantes a ser ponderados sobre esse assunto: o que causa o suicídio e a questão da justiça de Deus diante de uma mente atribulada”, afirma Oliveira.

Leia também:

Entrevista – Comportamento suicida

Conforme o raciocínio do Dr. Rodrigues, a psicologia e a psiquiatria demonstram que o suicídio é frequentemente resultado de uma intensa revolta emocional ou desequilíbrio bioquímico associado a um profundo estado de depressão e temor. “O suicida em tais circunstâncias não pode ser julgado por nós”, comenta o pastor.

O apresentador da Novo Tempo ressalta que biblicamente fica claro que a salvação é algo pessoal e que nenhum ser humano pode responder plenamente se alguém que se suicidou está salvo ou perdido espiritualmente. “Deve-se ressaltar, também, que ninguém será condenado por um ato isolado, mas por uma conduta de vida”, arremata. [Equipe ASN, Felipe Lemos]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox