Notícias Adventistas

Hemosul enaltece campanha adventista, mas alerta para crise durante inverno

Número de doações de campanhas como Vida Por Vidas já teve números mais expressivos no Mato Grosso do Sul e precisa de maior incentivo da igreja.

Número de doações de campanhas como Vida Por Vidas já teve números mais expressivos no Mato Grosso do Sul e precisa de maior incentivo da igreja

Campo Grande, MS … [ASN] No último dia 14 de junho foi celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue exatamente em um mês em que se divulga a campanha #JunhoVermelho no Brasil, porque os hemocentros de todo o país sofrem com os baixos estoques de bolsa de sangue por conta do inverno. “Tirando a região Norte e Nordeste, onde o inverno não é tão acentuado, as demais regiões do país têm uma queda brusca nas doações nesse período de temperaturas mais baixas”, explica a adventista e gestora de comunicação corporativa da Hemorrede do Estado do Mato Grosso do Sul, Mayra Franceschi.

A campanha Junho Vermelho, segundo conta Mayra, ganhou mais ênfase no Brasil no último ano. “Em 2016 teve uma repercussão maior através da mídia e a partir desse momento a imprensa abraçou a causa, o que para nós, é uma ajuda e tanto”, pontua.

Segundo a gestora, o Hemocentro do estado já passou por invernos críticos. “Já vivemos invernos onde os funcionários foram para casa torcendo para acidentes não acontecerem por saberem que não teríamos como atender uma demanda grande”, lembra.

Por isso a campanha Junho Vermelho é considerada tão importante, porque criar a consciência da doação ainda é um desafio. “Sangue ou você doa ou você doa, não é algo que a gente consegue criar em laboratório. Por isso existe toda essa necessidade de falar sobre a doação. Nem o hemoderivado – que é o medicamento industrializado a partir do sangue – substitui a doação”, explica.

De acordo com ela muitas pessoas não têm tanta informação sobre a doação e por isso, não conhece a fundo sua eficácia. “Cada doador pode atender até três pessoas, ou seja, em menos de 10 minutos a doação é realizada e um simples procedimento pode salvar até três vidas”, comenta.

A divulgação, segundo a direção, é fundamental para o hemocentro sair da crise. “Nós já atingimos o estoque estratégico, mas não saímos da crise porque o interior  está com o estoque baixo, principalmente das tipagens O negativo e positivo”, ressalta.

Vida Por Vidas

A campanha Vida Por Vidas tem um histórico importante para o hemocentro estadual, no entanto, essa ajuda precisa de mais um incentivo para voltar a ser expressiva como antes. “A instituição vê com bons olhos toda a ajuda recebida da Igreja Adventista através da campanha Vida Por Vidas aqui no Mato Grosso do Sul e, por diversas vezes, a mobilização adventista ajudou o Hemocentro em períodos críticos, mas o que se percebe é que há a necessidade de reavivar a campanha e sustentar melhor um projeto que é tão importante para a sociedade”, analisa.

E durante as doações, o estilo de vida adventista é algo que chama a atenção do Hemocentro, segundo Mayra relata. “Uma vez ouvi de uma profissional lá de dentro a seguinte frase: ‘Adoro o sangue de adventista, porque raramente apresenta problema’, e isso é algo muito positivo ainda mais para uma denominação que preza pela saúde”, destaca.

Jovens adventistas

De acordo com informações da antiga coordenadora de jovens adventistas para todo o Mato Grosso do Sul, Julia Gracieli, no último ano as doações tiveram uma queda, mas não pararam. “Em 2016 tivemos aproximadamente 400 doadores adventistas em todo o Estado e, desse número, aproximadamente 50 doações só em Campo Grande, contando com o apoio de igrejas que sempre ajudam e têm o hábito da doação regular. Mas é um número que precisamos melhorar e a divulgação pode lembrar a igreja dessa necessidade contínua que o Hemosul tem”, comenta Julia.

No total, são três unidades de coleta na capital, outras quatro unidades de coleta no interior e cinco unidades de armazenamento e distribuição, atendendo todos os hospitais públicos e privados do Mato Grosso do Sul.

Para se informar sobre a doação e os horários em que as unidades de coleta atendem, acesse o portal do Hemosul e faça a sua parte! [Equipe ASN, Rebeca Silvestrin]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox