Notícias Adventistas

Especialistas reconhecem benefícios da fé para a saúde

Conheça histórias de capixabas que tiveram curas inacreditáveis com a ajuda da fé

Nem hospitais estruturados, remédios avançados ou equipamentos de última geração. Contrariando muitos críticos, especialistas têm considerado que a fé e a gratidão são palavras a serem incluídas nos tratamentos médicos. A abordagem foi tema recente no 11º Congresso de Medicina e Espiritualidade (Mednesp), que aconteceu no Rio de Janeiro. O evento reuniu cerca 4 mil médicos e profissionais de saúde de várias partes do mundo, no início deste mês.

Segundo os palestrantes, existem evidências científicas sobre os benefícios de práticas espirituais para a saúde, como a participação em cultos e até mesmo a oração. Para ser ter ideia do interesse no tema, só na plataforma de publicações científicas PubMed são quase 2.500 estudos divulgados em 2015 no mundo todo.

A psicóloga adventista Ellen Camargo destaca que a busca espiritual faz parte da vida do indivíduo como forma de amenizar o sofrimento, aumentar a autoestima, elevar a esperança e formar laços sociais. “A ciência tem provado que a fé atua em áreas cerebrais responsáveis pelas emoções, reforçando o sistema imunológico para prevenir as doenças, ajudando no combate à depressão, minimizando os sentimentos de amargura e estresse, além de melhorar a qualidade de vida das pessoas”, explicou.

Ana recebe visita de pastor adventistas ainda no CTI.

 Retirada do pulmão

No Espírito Santo, muitas histórias revelam a força da fé no processo de cura. Uma delas, da vendedora Ana Cristina Ferreira do Santos Lima, moradora de Vitória. Ela nasceu com uma má formação e, recentemente, precisou passar por uma cirurgia de retirada de 80% do pulmão, que estava colado ao coração. Foram seis horas no centro cirúrgico, nove dias de internação – sendo cinco no Centro de Tratamento Intensivo (CTI).

Para os médicos uma situação extremamente delicada, para Ana momentos de tensão, para os irmãos de igreja uma oportunidade para exercitar a fé. Ela conta que recebeu ligações no dia da cirurgia com palavras de motivação e orações via telefone. Os amigos também criaram uma corrente de oração, em horário determinado, em prol de sua saúde. “ Me senti tão confiante e motivada para aquela batalha, que tinha certeza que Deus estava comigo e ia me tirar com vida”, conta.

Ana lembra que um dia, entubada e com muita dor, pediu a Deus por ajuda. Ela estava fraca e passando muito mal, porém, começou a se sentir melhor. Olhou no relógio e lembrou que aquele era o horário da oração intercessora que a igreja vinha fazendo por ela. “ Quando minhas filhas chegaram, perguntei se haviam orado na igreja por mim. Tamanha foi minha surpresa ao saber que exatamente no horário em que a dor havia passado, eles estavam clamado a Deus”, lembra emocionada.

Já se recuperando em casa, Ana recebe amigos de igreja para oração e cultos semanais. “ Está me dando força e ânimo para melhorar. Deus me deu uma nova chance e eles foram essenciais nisso através das preces”, finalizou.

Roberto e seu filho Carlos Eduardo estiveram à beira da morte.

3% de chance

Quem também tem motivos para comemorar é o empresário Roberto Ferreira da Silva, morador de Serra. Seu filho, na época com três anos, contraiu uma bactéria raríssima no sangue e, segundo os médicos, era a primeira criança no Brasil com aquele caso. Ele lembra que foi chamado ao consultório para uma notícia que o deixou sem chão. “ Ele disse que meu filho tinha apenas 3% de chance de sobreviver. Estava sofrendo muito, foram meses no hospital e dezenas de transfusões de sangue”, conta Roberto.

Na época, a família da criança se uniu em oração. Várias igrejas e grupos foram envolvidos, dando força aos pais e ao menino. “ Temos a certeza que a recuperação dele foi graças à Deus e força que recebemos das pessoas através da fé que demonstravam na cura”, afirma o pai.

Anos mais tarde, Roberto descobriu uma leucemia de forma devastadora, através de um sangramento repentino. Seu caso era tão grave, que os médicos já estavam desacreditados. Em pouco tempo sua saúde estava completamente debilitada e ele já estava encaminhado à quimioterapia. O processo foi doloroso e sofrido. “ Nesse momento, minha mãe começou uma saga de oração na Igreja Adventista. Muitos oraram, fizeram correntes, visitaram e participaram de cultos em prol da minha saúde. Não tenho dúvidas que eu sou um milagre devido à toda intercessão e à fé que adquiri por meio de mais essa batalha”, lembra.

Luciana chegou ao fundo do poço e temeu pelo casamento.

Duas mil horas sem dormir

Problemas financeiros, pressões da vida e morte na família. Esses foram os fatores que levaram a vendedora Luciana Aguilar a passar 12 anos com depressão profunda. Por três meses ela ficou sem dormir por 24 horas, o que a fez chegar no fundo do poço. Ela conta que chegou a mais de 80kg, quando seu peso normal era de 64kg. “ Tomava muitos remédios. Certa vez tomei um conhecido como ‘boa noite cinderela’, receitado por uma psiquiatra, que me deixou inconsciente durante um dia inteiro. Eu sofria muito”, lembra.

Em meio à escuridão ela conseguia enxergar Deus enviando pessoas para ajudá-la. Se não fosse assim, o desejo de morrer seria concretizado. “ Aconteceu de eu estar na praia, caminhando para a água e um homem apareceu. Ele perguntou como eu estava, conversou comigo e ficou me animando até meu esposo me encontrar. Nunca o tinha visto antes. Sei que era Deus me amparando”.

Em janeiro deste ano ela resolveu mudar de vida. Começou uma jornada de exercícios físicos, mudou a alimentação e fortaleceu laços com Deus. Hoje, acordar de madrugada, apenas para orar e agradecer. “Durmo a noite inteira sem qualquer tipo de remédio, apenas seguindo as orientações de uma vida saudável proposta por Deus”, diz.

 

 

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox