Notícias Adventistas

Alunos da Educação Adventista ressaltam valor da honestidade por meio de HQs

Além da honestidade, segunda edição do Minha História HQ estimulou criação de histórias sobre respeito, solidariedade, saúde e sustentabilidade

Por Lucas Rocha

Alunos no momento da premiação realizada

Na noite deste sábado, 2 de dezembro, foi realizada a final da segunda edição do Minha História HQ, iniciativa das escolas adventistas das regiões norte e leste da capital paulista. Nas duas categorias do prêmio, melhor história e melhor desenho, os vencedores abordaram o valor da honestidade. O concurso teve 100 participantes e é uma forma inovadora das escolas adventistas promoverem valores sociais entre os alunos, já que utiliza uma plataforma em que crianças e adolescentes tem mais empatia, engajamento e identificação. Além do tema da solidariedade, os alunos puderam desenhar histórias sobre respeito, solidariedade, saúde e sustentabilidade. Tudo no formato das histórias em quadrinhos.

“A gente procurou desenvolver a criatividade dos alunos com responsabilidade. Em uma linguagem atualizada, os alunos exaltaram valores que a sociedade tem enterrado”, afirma Renato Lacerda, diretor da Rede Educacional Adventista nas regiões leste e norte de São Paulo.

Leia também:

Na categoria melhor desenho, o vencedor foi Samuel Mendes, 16 anos, aluno do 2º do Ensino Médio. Acostumado a usar o lápis e papel para o desenho desde os cinco anos, ele aprova a iniciativa da Educação Adventista. “Dá um up para o trabalho artístico e acaba incentivando o pessoal a desenhar mais”, opina. O trabalho de Mendes é sobre uma pessoa que encontra uma carteira perdida e, mesmo sem conhecer o dono da carteira, vai atrás e a devolve. “Queria mostrar que você não precisa conhecer alguém para ser honesto com ele”, explica.

O vencedor da categoria Melhor História, em que os alunos precisavam enviar um roteiro de história sem a necessidade de desenha-la, também abordou o tema da honestidade. Josué Batista, 12 anos, cursa o 6º ano do Ensino Fundamental e buscou inspiração de casa para escrever a história de um morador de rua que pegou algo que não era dele, mas depois devolveu para o verdadeiro dono. “A história é sobre o que minha mãe sempre me ensinou. Se eu pego algo que não é meu, devo devolver”, afirma. Entusiasmado com o prêmio, ele já projeta outras participações.

final da segunda edição teve auditório com familiares dos finalistas.

Critérios

Alunos do Ensino Médio e Fundamental da rede de Educação Adventista nas regiões norte e leste da cidade de São Paulo puderam enviar histórias para o concurso. Em um primeiro momento, uma banca examinadora avaliou os trabalhos e definiu os cinco finalistas em cada categoria. Depois, três jurados deram seus pareceres. A avaliação deles teve um peso de 40% para a nota final. Os outros 60% vieram da opinião colhida com pessoas nas redes sociais. “O objetivo era envolver os alunos nas redes sociais, no qual eles já estão acostumados”, afirma o diretor das escolas adventistas nas regiões norte e leste da capital paulista, Renato Lacerda.

Prova da aceitação dos alunos é a repetição de dois finalistas. Um deles, Isaac Florêncio, 17 anos, criou um personagem para o concurso do ano passado. Neste ano, ele estava novamente entre os finalistas. “Eu criei o Ted especialmente para o concurso do ano passado. Depois, escrevi outras histórias com ele. O Ted nasceu enquanto eu estava no colégio. Pra mim, ele é um símbolo da Escola Adventista”, conta. Ted, personagem das histórias de Isaac, em breve vai ser protagonista de um jogo desenvolvido pelo próprio autor. No entanto, como é aluno formando do Ensino Médio, Isaac não vai poder mais participar do Minha História HQ.

Ampliação

A final deste ano teve algumas inovações em relação à final da primeira edição. Com um tempo maior de programa, antes do anúncio dos vencedores o quadrinista afiliado da Associação Brasileira de Quadrinistas Adventistas, Miguel Nestor Alves, fez uma palestra de aproximadamente 30 minutos para o auditório, formado basicamente pelos finalistas e seus familiares. Para o ano que vem, Lacerda já planeja a ampliação do concurso não só no número de participantes, como também no número de categorias.

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox