Notícias Adventistas

Escolas públicas de Alvorada recebem projeto Quebrando o Silêncio

Alunos de Ensino Fundamental e Médio tiveram orientações sobre como lidar com abuso sexual e, ainda, sobre os problemas do consumo de álcool.

 

dsc_1929

Pastor Lícius Lula promoveu palestras com orientações sobre abuso sexual infantil e problemas do consumo de álcool.

Alvorada, RS… [ASN] O projeto de combate à violência doméstica contra crianças, adultos e idosos da Igreja Adventista, intitulado Quebrando o Silêncio, foi alvo de destaque na última semana por conta da chegada da data anual de divulgação. Iniciativas mais pontuais, como passeatas contra a violência foram feitas por fiéis dos templos e, além disto, parcerias com escolas públicas foram firmadas para que orientações sejam dadas com mais calma e de forma personalizada para a faixa etária.

Leia mais:

Estudantes de escola pública refletem sobre efeitos do álcool na vida pessoal e familiar

Em Alvorada, o pastor Lícius Lula, responsável pelas igrejas do distrito pastoral de Jardim Algarve, promoveu a campanha na Escola Municipal de Ensino Fundamental Paulo Freire, na Vila Santa Bárbara, em 14 turmas, desde a Educação Infantil até o nono ano do Ensino Fundamental. A ação resultou na orientação de cerca de 700 alunos.

“Com as séries iniciais, o problema do abuso sexual foi discutido com objetivo de ensinar três regras básicas: dizer não, fugir e/ou pedir socorro e denunciar as ações dos agressores, mesmo que estejam sob ameaça. Os mais velhos refletiram sobre os problemas do álcool – ênfase do projeto para 2016 – levantados nas palestras”, explica o pastor Lula.

Ainda no município, a Escola Municipal de Ensino Fundamental Emília de Oliveira e a Escola Estadual de Ensino Médio Vale Verde, ambas localizadas na Vila Piratini, tiveram 400 alunos atendidos pela mesma proposta.

Durante um período de sua vida, a estudante Priscila Moraes teve uma experiência de descontrole com bebidas alcoólicas. A apresentação do tema foi um reforço para que prossiga longe do caminho do vício. “Tirei o sossego da minha mãe e do meu pai, mas foi graças a força e ao apoio deles que eu saí disso e não quero voltar jamais! Aconselho aos jovens que não experimentem… Se, porventura tenha começado, saibam que é possível parar. Basta querer e buscar ajuda!”, afirma.

dsc_1995-copia

Crianças entram em contato com material infantil da campanha Quebrando o Silêncio.

A coordenadora pedagógica, Cláudia, da Escola Emílio Ferreiro agradeceu pela apresentação das palestras. “Foram muito oportunas, pois temos vários alunos envolvidos em tais situações e precisamos fazer a nossa parte que é orientar. E, como se diz, “santo de casa não faz milagres”. Parabéns à Igreja Adventista pelo seu relevante papel na sociedade onde está inserida!”, ressalta.

Da mesma escola, G. P. P., de 07 anos – que não foi identificada assim como outros alunos da escola a pedido da direção – relatou o aprendizado que teve em uma das palestras. “Não devemos conversar com estranhos e nem deixar que eles tirem fotos nossas, principalmente, sem roupas. E não devemos esconder isso dos pais ou dos professores”, conclui. [Equipe ASN, Willian Vieira, com informações de Lícius Lula]

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox