Notícias Adventistas

Mais de mil adventistas são formados em “Líderes de Esperança”

Em toda a Grande Recife-PE, já são 1520 Pequenos Grupos de Líderes em funcionamento.

A primeira etapa do projeto consistiu na formação de Pequenos Grupos Protótipos (PGP).

A primeira etapa do projeto consistiu na formação de Pequenos Grupos Protótipos (PGP).

Recife, PE… [ASN] No sábado, 14 de setembro, mais de mil adventistas da Grande Recife-PE receberam o título de “Líderes de Esperança”. A cerimônia representa a culminância de um projeto que movimenta a Igreja Adventista desde o início do ano em todo o território da União Nordeste Brasileira (que administra a Igreja Adventista de Alagoas ao Piauí). A proposta básica é envolver as igrejas em Pequenos Grupos, e através da formação de líderes, multiplicar a pregação do evangelho de casa em casa, e entre amigos, mostrar, na prática, o cristianismo. Todo o grupo formado pelo projeto em Recife participou de um programa protótipo e piloto, que agora deve ser imitado por cada um deles, na formação de novos grupos.

A primeira etapa do projeto consistiu na formação de Pequenos Grupos Protótipos (PGP), onde o pastor da região era o líder do grupo. “Cada um de nós escolheu alguns irmãos de igrejas, pessoas atuantes, para participar dessa fase. Nela, estudamos a palavra de Deus e uma lição específica para este processo de conhecimento e discipulado. Foi aí que descobrimos como esses encontros deveriam ser mais descontraídos do que imaginávamos. Participar desse projeto me faz crescer, como pastor, pois me envolvo e aprendo com os meus líderes”, conta o pastor Pedro Evilácio, um dos 37 coordenadores de Pequenos Grupos Protótipos da Grande Recife, na cidade de Olinda.

Foi do PGP do pastor Pedro que surgiu um grupo de adventistas com um novo compromisso: multiplicar o projeto através dos Pequenos Grupos de Líderes (PGL). Agora, cada um dos 15 participantes da primeira fase do programa criaram pelo menos uma unidade próximo de onde moram, convidando amigos para participar. O sociólogo Wilberto Carlos Pereira foi um desses que montou um PGL pertinho de casa, no bairro do Janga, na cidade de Paulista. Ao invés de criar o grupo na própria residência, optou por atender o pedido de uma amiga que já estava estudando a Bíblia com a família. “Ela pediu que montássemos o grupo na casa dela. Aí começamos a atrair a atenção de pessoas dessa rua, que talvez, nunca aceitassem um convite nosso para ir a uma igreja. Uma dessas convidadas é da Áustria, e estava passando um tempo por aqui. Agora, ela vai voltar para o seu país, e gostou tanto do programa, que pediu que encontrássemos um desses para ela perto da sua cidade natal. Entrei na internet, busquei por mais informações, e já deixei os contatos do pastor e de um líder da igreja no local”, conta.

E como grupo informal que é, o Pequeno Grupo está sujeito a criatividade dos seus participantes. Em Caetés, na cidade de Abreu e Lima, um grupo de líderes teve uma ideia interessante. “Nossa primeira reuniu de PGL foi em uma lanchonete. Quando a igreja passou essa ideia para mim, fiquei encantado, pois entendi que esses conseguiram perceber o diferencial desse projeto. É envolvimento, é amizade”, conta o pastor local, Jhonnatan Queiroz. Só em uma das igreja do bairro, 12 Pequenos Grupos de Líderes foram formados. Uma das coordenadoras dessa segunda etapa é a professora Sônia Maria Lima. Segundo ela, o programa mudou sua concepção, e tem operado milagres. “Eu achava que o Pequeno Grupo era um programa muito fechado, rígido, mas é justamente o contrário. Desde que eu me dedico de forma mais intensa aos Pequenos Grupos, minha vida tem mudado. Sou professora de deficientes, e dentre os meus alunos, tem um autista, que me sempre deu muito trabalho em sala de aula. Hoje, vejo melhoras significativas. Ele obedece, atende, ele até me abraça”, lembra a professora.

Em toda a Grande Recife, já são 1520 Pequenos Grupos de Líderes em funcionamento. Mas, de acordo com a coordenação do programa na região, o alvo é ainda maior. “Queremos 1800 grupos até dezembro, e vamos alcançar essa meta. O Pequeno Grupo contribui para manter a Igreja saudável, apoia o trabalho do pastor, e atende as necessidades da Igreja de um modo muito mais eficaz”, enfatiza o pastor Cléber Aragão, coordenador do programa para a Grande Recife. [Equipe ASN – Rebbeca Ricarte]

Confira os testemunhos citados acima em vídeo:

Notícias Relacionadas


Comentários

WordPress Image Lightbox