Notícias Adventistas

Hospital Sírio Libanês homenageia Clube adventista de doação de sangue

Ação ocorreu no dia mundial do doador de sangue

Por Priscilla Stehling

O dia mundial do doador de sangue foi lembrado com alegria e comemoração para os 6.500 integrantes do Clube ADV, predominantemente composto por jovens adventistas. Isto porque, na última quinta-feira, dia 14, o hospital Sírio-Libanês homenageou os doadores do Clube, que já contribuiu com 3 mil doações ao hospital.

Durante a cerimônia o diretor do banco de sangue – que também é presidente da Sociedade Internacional de Transfusão de Sangue, ISBT, com sede em Amsterdam, na Holanda – proferiu algumas palavras e agradecimento pela ação solidária. “Um único grupo realizar 3 mil doações ao hospital é como se eles fossem responsáveis por três meses inteiros do suprimento sanguíneo deste hospital, o que é algo realmente importante”, avalia o doutor Silvano Wendel.

A coordenadora de captação de doadores, Alania Russo, enfatizou a relevância da contribuição do grupo já que são doadores constantes e de sangue seguro. “O Clube de doadores adventista, ADV, pela qualidade do estilo de vida que eles têm contribui para que eles sejam doadores saudáveis. Para o hospital é interessante doadores assim e que sejam regulares, que também é uma característica deste grupo”, enfatiza.

Além do Clube ADV, a Igreja Adventista como instituição também foi lembrada e mencionada na cerimônia dada a frequência de doadores no banco de sangue. Alfredo Quiroz, diretor e idealizador do Clube, fala sobre a homenagem como uma representação de 8 anos de vitórias. “Para nós é motivo de muita comemoração chegarmos a 8 anos consecutivos de trabalho ensinando as pessoas sobre a seriedade do ato de doação de sangue”, declara.

Solidariedade corre na veia

Além das premiações a grupos, o Hospital também agradeceu e homenageou doadores específicos que já registraram 25, 50, 100 e até mesmo 150 doações ao banco de sangue local. Neste hospital, apenas uma pessoa alcançou o índice de 150 doações. Foi o engenheiro mecânico José Custódio da Matta, que começou a ação a partir de uma necessidade de um parente e nunca mais parou. “Precisamos de mais ações para conscientizar e educar as pessoas para este ato”, avalia.

Alfredo Quiroz também tem registros de 150 doações combinadas entre plaquetas e sangue. “Minha veias foram todas furadas. Mas quando eu vejo as veias eu gosto porque imagino que devo ter salvado muitas vidas”, conta. A ação solidária de Quiroz aconteceu nos cerca de 35 bancos de sangue atendidos pelo Clube em São Paulo. Ele fala sobre as razões que o impulsionam ao trabalho. “Eu fiz um pacto com meu sobrinho e este pacto me leva a decidir que cada dia eu tenho que dar muito mais de mim”, conta.

Saiba mais

O pacto mencionado por Alfredo está relacionado à história do Clube ADV. Ele surgiu a partir de uma necessidade de um sobrinho enfermo que precisou de transfusão. Infelizmente o sobrinho não resistiu à enfermidade e faleceu. Antes, porém, ele pediu ao tio que levasse adiante o projeto de criar um grupo de doação de sangue. O tio cumpriu a promessa e há 8 anos luta pela causa.

O Trabalho voluntário acontece em parceria com o Unasp, campus São Paulo. Atendendo diversos bancos de sangue da capital paulista, o Clube realiza doações previamente agendadas e preferencialmente aos sábados, conforme explica a vice-diretora Aruane Quiroz, esposa de Alfredo. “Para levar grupos de pessoas a cada semana temos líderes que movimentam estas pessoas. Como estes líderes já tem o trabalho de comunicação com os doadores nós damos o suporte de agendamento conciliando com uma lista de pacientes necessitados”.

Notícias Relacionadas


Comentários

WordPress Image Lightbox