Notícias Adventistas

Evento resgata ideia das grandes campais missionárias

 

 

Pr. Luís Gonçalves destacou a importância desses encontros
Pinhais, Paraná … [ASN] Apresentações musicais de grandes nomes da música crista – como Laura Morena, quarteto Arautos do Rei, Cânticos Vocal e grupo Novo Tom -, pregações, treinamentos e muitas outras atrações. Foi assim durante os três dias de programação da Campal, um evento organizado pela Igreja Adventista no Sul do Paraná com dez mil inscritos. A iniciativa resgatou a ideia dos grandes eventos realizados pela Igreja Adventista com ênfase no evangelismo.

 

Maurício Junges e outras 70 pessoas viajaram aproximadamente 370 quilômetros, de Palmas (PR) até a Expotrade Convention Center, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba, para acompanhar o evento. “Valeu a pena ter vindo. Foram seis horas de viagem, mas a campal ficou marcada na vida de todos nós”, conta o pastor. Entre os integrantes do grupo estavam também jovens de Clevelândia, município vizinho, que chegaram a promover uma pastelada a fim de levantar recursos para cobrir as despesas da viagem.

 

Luiz Albertto Nadaline lembra que há algumas décadas as chamadas campais aconteciam com maior frequência e eram aguardadas com muita expectativa pelos membros da Igreja. “Elas aconteciam geralmente a cada dois anos e a gente ficava ansioso para que chegasse o momento. Você encontrava os amigos, percebia o movimento e o tamanho da Igreja. Depois vieram os grandes congressos, mas o termo campal foi desaparecendo ao longo dos últimos anos”, pontua Nadaline, que participa há pelo menos 50 anos desses eventos e confeccionava painéis para esses programas.

 

Para o evangelista Luís Gonçalves, responsável pela área na sede sul-americana adventista, essas iniciativas precisam ser resgatadas, porém com foco evangelístico. “Por meio de uma campal evangelística alimentamos os de dentro, mas também alcançamos os de fora. Essas iniciativas devem crescer e se multiplicar porque por meio delas a mensagem do advento alcança milhares de pessoas”, enfatiza.

 

Pensando nisso, a organização do evento enviou previamente cerca de dez mil convites para espectadores da TV e rádio Novo Tempo, interessados em estudar a Bíblia.

 

Batismos – Outras 95 pessoas decidiram dar um passo a mais e foram batizadas durante a campal. O casal Antônio Mazia dos Santos e Antônia Barreto dos Santos esteve entre o grupo. Eles não sabem ler e escrever, mas foi por meio de um DVD do pastor Luís Gonçalves que conheceram a mensagem adventista. “Oramos pedindo que Deus mandasse alguém alfabetizado para nos ensinar mais da Bíblia”, conta seu Antônio.

 

A resposta das orações veio por meio do obreiro bíblico José Sidnei Boeira, que bateu à porta da residência do casal. “Eles assistiam ao DVD, respondiam aos apelos, mas queriam a ajuda de alguém que pudesse confirmar na Bíblia o que estava sendo dito pelo pregador no vídeo”, relata. Naquele dia seu Antônio não tinha ido trabalhar e a partir do contato com o obreiro o casal começou a estudar a Bíblia e não parou mais.

 

“Além dos batismos realizados, centenas de pessoas responderam aos apelos para concretizarem essa decisão em breve”, conta Marcos Tosta, evangelista da Igreja Adventista para o Sul do Estado.

 

Motivação e capacitação – Na visão do presidente da Igreja Adventista para o Sul do Paraná e organizador da iniciativa, a capacitação e motivação dos membros também foi um dos pontos fortes do evento. Ao concentrar tudo num único evento, também houve redução de custos e otimização do tempo que geralmente se gasta para treinar os membros das igrejas nas diversas áreas ao longo do ano. “Nosso custo foi igual ao de anos anteriores com todos os eventos que promovemos. O diferencial nesta campal é que realizamos 38 encontros simultaneamente, e ficamos livres para servir as igrejas no restante do ano”, salienta o pastor Herbert Boger. [Equipe ASN, Márcio Tonetti]

 

 

 

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox