Notícias Adventistas

Comunidade árabe sedia debate sobre conflitos religiosos no oriente médio

Paz entre os debatedores

Paz entre os debatedores

São Paulo, SP… [ASN] A Comunidade Árabe Aberta é uma Igreja Adventista do Sétimo Dia, mas que apresenta em sua liturgia aspectos da cultura árabe. Segundo o pastor Assad Bechara, “é uma casa que pensa na convergência, compreensão e no respeito a todas as instituições”.  O local – que está localizado na Vila Mariana – foi palco de um debate muito interessante.

O tema da discussão foi “Conflitos no Oriente Médio sob a ótica religiosa”. O mediador foi Giuliano Chaddoud, diretor do Comitê de Jovens Empreendedores da Fiesp. Compareceu também o Rabino Moré Ventura, que é professor em diversas escolas da comunidade judaica de São Paulo. O shake árabe, Houssam Ahmad El boustani também foi convidado, mas não pôde estar presente em virtude de um problema de saúde.

Público presente

Público presente

O assunto é delicado e divide opiniões, mas o objetivo do programa não foi tender para nenhum dos lados.  O debate foi saudável, educativo e teve a participação do auditório. Os pastores Márcio Filipe e Assad Bechara, líderes da Comunidade Árabe Aberta, também participaram da discussão.

Entre os temas que foram abordados, está a importância da “busca das soluções para um conflito no Oriente Médio, muito mais que apenas os motivos históricos do conflito”, diz o rabino Ventura. Ele achou o debate excelente e elogiou o nível das perguntas. “Muitas vezes as pessoas têm medo de não magoar as pessoas de outra religião e ficam com receio de fazer novas perguntas. Eu não senti isso por meio das pessoas que estavam hoje na plateia. Elas tiveram a preocupação de não magoar, mas souberam fazer a perguntas certas, fortes, difíceis e de forma adequada”, diz o líder judaico.

Rabino falando sobre o tema dos conflitos

Rabino falando sobre o tema dos conflitos

Para o mediador do evento, o diálogo aberto é muito importante, para que cada um possa expor as suas crenças. “A nossa ideia sempre foi ser a favor da liberdade religiosa e nada melhor do que fazermos o debate neste lugar. Aqui foi diferente, foi muito especial”, afirma Chaddoud. Ele promove discussões do mesmo gênero em outros lugares, como escolas e universidades.

Ricardo Pasqualini, 25 anos, ficou sabendo do debate pelo Facebook.  Ele tem formação católica, estuda Relações Internacionais, e se interessa pela questão dos conflitos no Oriente Médio. “Nós devemos vivenciar o amor de Deus. Bastante diálogo é uma solução plausível para os conflitos hoje”, diz o estudante universitário.

“Aqui é uma casa de oração para todos os povos, começando com o respeito que temos pelos muçulmanos. Nós damos a eles o direito de defesa da sua imagem. Por extensão, não permitimos críticas a nenhuma religião. Nós estamos aqui  dialogando sobre a convivência entre árabes e judeus e em extensão a convivência entre as nações”, afirma Bechara. [Equipe ASN, Isadora Schmitt Caccia]

 

[fve]http://youtu.be/eeCax9UuUKs[/fve]

Notícias Relacionadas


Comentários

WordPress Image Lightbox