Notícias Adventistas

Wilson Borba

Wilson Borba

Sola Scriptura

As doutrinas bíblicas explicadas de uma forma simples e prática para o viver cristão.

O dilúvio e a segunda vinda de Cristo

O-dilúvio-e-a-segunda-vinda-de-Cristo

 As Escrituras consistentemente referem-se ao dilúvio como um evento histórico (ver Isaías 54:9; Mateus 24:37-39; Lucas 17:26, 27; Hebreus 11:7; 1 Pedro 3:20 e 2 Pedro 2:5). Os primeiros capítulos do gênesis tratam de assuntos universais como a criação, a queda, a tábua das nações, a corrupção dos seres humanos, o dilúvio e a dispersão da humanidade. A quantidade de espaço dada por Moisés ao assunto do dilúvio evidencia a grande importância histórica e teológica do evento.

“No ano seiscentos da vida de Noé, aos dezessete dias do segundo mês, nesse dia romperam-se todas as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram. Sua data precisa, com sua falta de simbolismo óbvio, traz as marcas de um fato real bem lembrado”.[1] A revelação especial concedida a Noé referente à arca, um século antes do dilúvio enfatiza o fato de que o acontecimento não foi simplesmente uma catástrofe natural.[2] Por outro lado, se o dilúvio fosse somente local e regional, não seria loucura gastar 120 anos preparando uma arca suficientemente grande para carregar animais do mundo inteiro?[3]

É declarado que o dilúvio cobriu os topos das mais altas montanhas (Gênesis 7:19, 20), isto é aproximadamente 17.000 pés de altura na região de Ararate onde pousou a arca. E aquela situação prevaleceu por dez meses (8:5) depois do começo do dilúvio. Foi uma demanda hidráulica impossível na água envolvida para apenas uma inundação local e tranquila.[4]

Embora Moisés pudesse contar com a tradição oral para descrever os fatos do dilúvio devemos lembrar que ele foi inspirado por Deus e, sobretudo, dependeu da revelação divina. E ainda que o dilúvio global seja abundamentente confirmado, cada ser humano necessita primariamente do auxílio da Palavra de Deus para entender a razão e a amplitude daquele magno evento. Diante da maldade e iniquidade universal (Gênesis 6:5) foi propósito divino enviar o dilúvio: “Disse o Senhor: Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus; porque me arrependo de os haver feito” (Gênesis 6:7).

O dilúvio não foi enviado apenas com o propósito de destruir os impenitentes antediluvianos, mas para separar e manter na terra homens piedosos (ver Gênesis 6:8 e 9). Após o dilúvio, Deus seguiu a intenção original de abençoar a humanidade (Gênesis 9:l) procedendo como que uma segunda criação. Um dos mais difíceis problemas enfrentados por aqueles que negam o dilúvio universal é o concerto que Deus fez com Noé após o término daquela grande catástrofe, pois, se o dilúvio destruiu somente uma parte da raça humana, então aqueles que escaparam das águas não foram incluídos no concerto do arco-íris.[5]

Tanto o dilúvio ocorrido no passado, como a futura segunda vinda de Cristo são eventos descritos nas Escrituras como históricos, universais, audíveis, visíveis e de consequências catastróficas para a Terra e os ímpios. O primeiro é um símbolo do segundo, pois Jesus comparou sua segunda vinda ao dilúvio. “Porquanto, assim como nos dias anteriores comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24:38). Se o dilúvio não foi real e universal; a partir do momento em que Jesus assim o apresentou, colocou em risco a credibilidade dos Seus ensinos quanto à realidade do maior evento da História: Sua segunda vinda em glória e majestade. A volta do Senhor será universalmente visível, gloriosa e audível (ver Mateus 24:27,30 e 31; Apocalipse 1:7).

Alguns intérpretes concluem pela leitura de Mateus 24:38 e 39 que a vinda do Senhor será secreta e não percebida pela maioria das pessoas do mundo, mas é exatamente o contrário o que Jesus ensinou fazendo um paralelo com o dilúvio. O que a geração de Noé não percebeu, não foi a chegada do dilúvio, mas  obviamente o momento em que finalmente a porta da arca foi fechada, e passou a oportunidade de salvar-se. Assim, o mundo inteiro será tomado de surpresa, pois a porta da graça será fechada em hora que ninguém sabe, e como o dilúvio “levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem” (vers. 39).

Afirma o apóstolo Pedro que enquanto o mundo foi uma vez destruído por água, um segundo dilúvio, desta vez de fogo purificará a terra do pecado (ver 2 Pedro 3:7). Assim como fez em relação ao dilúvio, atualmente Deus tem dado suficiente informação e avisos à humanidade sobre a iminência da segunda vinda de Cristo, e a necessidade de preparo.

[1]Derek Kidner. Gênesis introdução e comentário (São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, l985), 85.

[2]Carl E. Baugh e Clifford A. Wilson, Dinosaur (Orange, Ca: Promise Publishing CO, 1991), 115.

[3]Henry M. Morris. Scientific Criacionism (San Diego, Ca: Creation Life Publishers), 253.

[4]Ibíd., 252, 253.

[5]John C. Whitcomb e Henry M. Morris. The Genesis Flood (Phillipsburg, NJ: Presbiterian and Reformed Publishing, Phillipsburg, 1992), 22.

 

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox