Notícias Adventistas

Rafael Rossi

Rafael Rossi

Em dia com o nosso tempo

Os fatos diários lidos a partir de um olhar teológico.

O rei afronta a profecia de Daniel 2

Fornalha

No meu último artigo apresentei uma reflexão sobre o Brexit e a profecia de Daniel 2. Não tenho nenhuma dúvida de que a história está sendo conduzida por Deus e nada escapa do seu domínio e controle. As profecias bíblicas não tratam de suposições, mas de certezas.

Embora Nabucodonosor tivesse recebido uma clara revelação de Deus, ainda não foi suficiente para causar uma transformação em sua vida. No capítulo três de Daniel isso fica bem evidente quando o rei afronta aquilo que Deus havia dito.

No capítulo anterior, a história do mundo foi apresentada para Nabucodonosor. Na estátua com metais diferentes, ele era a cabeça de ouro. Os demais metais evidenciam que o Império de Babilônia, liderado pelo rei, teria fim. Depois do império de ouro surgiriam mais três (prata, bronze e ferro), antes da fragmentação em dez partes (barro e ferro misturados).

Como Nabucodonosor entendeu que o ouro estava relacionado ao seu império, o capítulo três apresenta um rei afrontando a revelação de Deus ao construir uma estátua toda de ouro. Para ele não tinha prata, bronze e ferro. O seu império era toda a estátua, pretensiosamente afirmando que o seu Império não teria fim.

Somos testemunhas de que as profecias não podem ser mudadas ao sabor da vontade humana. O Brexit ou qualquer outro evento que aconteça no continente europeu vai comprovar o que foi dito 600 anos antes de Cristo. Esses reinos não mais se uniriam.

O tema central do capítulo 3 de Daniel está na adoração. O verbo adorar aparece 4 vezes (versos 5,10,14 e 28) porque para a estátua de Nabucodonosor era necessário oferecer adoração. Essa batalha da adoração será a mesma que envolverá o número 666 de Apocalipse 13. Há dois caminhos diante de cada ser humano, reconhecendo as opções ou não, o conflito tem a ver com adoração a Deus ou a Besta.

Há um simbolismo na estátua, como por exemplo a sua altura.  Ela media sessenta côvados, e a sua largura de seis côvados. Há uma relação com o número 6, que dentro da Bíblia tem um significado. Representa o número da imperfeição, número de homem. Segundo descobertas arqueológicas, as divindades babilônicas também usavam como numeração base o número 6.

6 – considerado Deus menor

60 – considerado Deus maior

600 – Panteon – todos os deuses somados de Babilônia

A somatória de toda a divindade de Babilônia corresponde ao mesmo número dado em Apocalipse como o número da besta (ver Apocalipse 13:18. As medidas da estátua referem-se às divindades babilônicas.

Em Babilônia, os sacerdotes pagãos usavam uma tábua numérica que era uma contrafação do peitoral do sumo-sacerdote. Curiosamente, em qualquer direção que se somar os números, o resultado será 111. Quando multiplicado pelas 6 linhas, o número resultará em 666.

01 32 34 03 35 06
 30 08 27 28 11 07
20 24 15 16 13 23
19 17 21 22 18 14
10 26 12 09 29 25
31 04 02 33 05 36

O rei Nabucodonosor mandou ajuntar os sátrapas, os prefeitos, os governadores, os conselheiros, os tesoureiros, os juízes, os magistrados, e todos os oficiais das províncias, para que viessem à dedicação da estátua.

A ordem era para que ao ouvirem o som dos instrumentos, todos deveriam se prostrar e adorar a imagem construída pelo rei. O império sem fim, na cabeça do ingênuo rei. E qualquer que não se prostrasse seria lançado na fornalha de fogo.

Aconteceu que todos adoraram, exceto três judeus, amigos de Daniel que não atenderam ao apelo do rei. Na hora, os acusadores que queriam flagrar os judeus com alguma coisa, mas não estavam conseguindo, encontraram algo quando entraram na adoração.

No mesmo instante, Sadraque, Mesaque e Abednego foram condenados à morte. Os jovens tinham total confiança quando confrontados pelo rei: “Eis que o nosso Deus a quem nós servimos pode nos livrar da fornalha de fogo ardente; e ele nos livrará da tua mão, ó rei. ” (Daniel 3:17).

Então Nabucodonosor ficou nervoso e deu ordem para que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer. A fúria do fogo era tão grande que aqueles que foram conduzir os três hebreus até a fornalha foram instantaneamente consumidos pelo fogo.

Os jovens estavam amarrados quando foram lançados na fornalha, aumentando o desespero deles. A continuação da história é surpreendente. Em Daniel 3:24 diz que “Então o rei Nabucodonosor se espantou, e se levantou depressa; falou, e disse aos seus conselheiros: Não lançamos nós dentro do fogo três homens atados? Responderam ao rei: É verdade, ó rei. ”

Ao perceber Nabucodonosor o que estava ocorrendo dentro da fornalha ficou sobremodo espantado. Aqui acontece a segunda grande manifestação de Deus em sua vida, a primeira foi na solução do seu sonho. Disse ele: “Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, e nenhum dano sofrem; e o aspecto do quarto é semelhante a um filho dos deuses. ” (Daniel 3:25).

Nabucodonosor usa a expressão semelhante a um filho dos deuses reconhecendo em primeira mão que o ser que estava com os três hebreus na fornalha não era humano, mas sim representava um ser superior. A palavra deuses é fruto da sua mentalidade politeísta, prática de Babilônia. O ser visto na fornalha é uma manifestação de Jesus Cristo no Antigo Testamento.

O rei viu a atuação de Deus e percebeu que o fogo nada poderia fazer contra os três jovens, senão queimar as cordas que os atava, então resolveu chamá-los para fora da fornalha. O fogo não os afetou em nada porque Deus os protegeu. Disso podemos tirar uma grande lição espiritual. Deus está sempre ao nosso lado e nos ajuda. Aqueles que forem fiéis a Ele terão proteção nos momentos mais intensos e difíceis.

A proteção de Deus é sempre completa. Ser fiel pode ser complicado, assustador e até podemos ter vontade de desistir. Não desanime e tenha certeza de que Deus está sempre nos ajudando a sairmos vencedores. As derrotas são momentâneas e parciais, porque o melhor está por vir.

No final dos dias da história desse mundo a Igreja será fortemente perseguida. Os cristãos fiéis serão obrigados a desobedecer a Deus com penitência aos que decidem obedecer. Como Deus protegeu os Seus filhos no passado, protegerá no futuro. Essa é a esperança que deve nortear a vida dos cristãos. Deus nunca nos abandona.

Nabucodonosor mais uma vez testemunha em favor do Senhor. As suas declarações mostram que, para o rei, Deus era supremo, mas mesmo assim o rei ainda não se converte, o que vai acontecer no capítulo 4.

Diz o rei em Daniel 3:29: “Por mim, pois, é feito um decreto, que todo o povo, nação e língua que proferir blasfêmia contra o Deus de Sadraque, Mesaque e Abednego, seja despedaçado, e as suas casas sejam feitas um monturo; porquanto não há outro deus que possa livrar desta maneira.”

Nabucodonosor usa de suas prerrogativas para assim honrar o nome do Senhor. Estava ele convencido do poder de Deus. A fidelidade dos três jovens hebreus a Deus fez com que os homens também reconhecessem Seu poder. Nos eventos finais da história da humanidade, a mesma situação se repetirá. Pela fidelidade do Seu povo, o Senhor será sobre todos.

“Crede no Senhor vosso Deus e estareis seguros…” (2Crônicas 20:20).

Veja Também


Comentários

WordPress Image Lightbox